Skip to content

China – Shanghai parte 1

11 setembro 2012

Shanghai Skyline

Depois da “maratona” em Beijing, seguimos viagem rumo ao sul, até Shanghai. Voamos pela China Eastern até o aeroporto de Hongqiao, mais central e menor do que Pudong.

Comprei os tickets pela Internet no site da empresa, que poderia ser um tantinho mais amigável. A passagem one-way custou 760 RMB, ou seja, pouco mais de US$100.

O vôo saiu pontualmente e a aeronave era relativamente nova. O estranho foi enfrentar o serviço de bordo, com quitutes pra lá de não convencionais – veja a foto abaixo, onde se destaca um ovo de pato cozido.

E ainda teve mais: não satisfeita com as esquisitices da comida de bordo, uma senhora que estava sentada no corredor ao lado sacou um pé de galinha de sua sacola e se pôs a comê-lo sem a menor cerimônia… Choque cultural total!!!

Fica, vai ter ovo de pato…

Do aeroporto tomamos mais uma vez uma van direto para o Hotel, na região do Bund, o que demorou pouco menos de meia hora (estamos ficando craques na arte da pechincha!).

Havíamos reservado quartos duplos no 4 estrelas Salvo Hotel pela barganha de 600 RMB a diária. Lá chegando, tivemos a surpresa de ganharmos um upgrade super benvindo: para começar, o check in era feito no último andar do hotel, numa confortável sala onde pudemos esperar tomando refrigerantes e beliscando salgadinhos e doces. Ah, e a vista de lá era essa aqui:

Vista da sala de check-in VIP

Nosso quarto no vigésimo segundo andar tinha uma ante sala com móveis chineses, decoração em tons de vermelho e amarelo, um banheiro com hidromassagem, 2 TVs  e até um micro computador à disposição!

Sala

Quarto

Nem tivemos muito tempo de curtir o quarto, pois a fome falava mais alto. Saímos na direção da Nanjing Road, a principal rua de pedestres da cidade, que começa bem próximo ao hotel e se estende na direção oeste, atravessando o centro de Shanghai.

Antes de chegar lá, vimos um restaurante bem transado chamado Wagas e que nos pareceu convidativo. A decoração era moderna, com wi-fi gratuito e comidas aparentemente simples, mas muito apetitosas: pedi uma massa com presunto e molho branco, acompanhado de uma salada e de um shake de manga delicioso.

Pasta e salada do Wagas

Depois do almoço, seguimos até a Nanjing Road, cuja parte fechada ao trânsito começa justamente na interseção com a Henan Road, onde fica a estação de metrô de East Nanjing ( linha 2 – verde).

Nanjing Road

A Nanjing é um verdadeiro paraíso do consumo e à noite se transforma em uma Las Vegas chinesa, com muito neon e vários artistas de rua.

Não perdemos muito tempo por ali não, preferindo conhecer logo o filé da região, ou seja o Bund, conjunto de prédios históricos com estilos arquitetônicos diversos (renascentista, barroco, gótico, neoclássico e até art-deco) em frente ao Rio Huangpu.

Vista do Rio Huangpu  em frente ao Bund

O local é um dos principais pontos turísticos da cidade e tenho que confessar que aquela vista do rio e do modernoso bairro de Pudong logo em frente me conquistou imediatamente, um bálsamo depois da esfumaçada e conservadora atmosfera de Beijing.

A única estátua de bronze do Bund, em homenagem a Chen Yi, o primeiro prefeito comunista de Shanghai

Vista do Rio Huangpu e do bairro de Pudong, com a torre de TV Oriental Pearl em destaque

Bund

Passeio em frente ao Bund

Como já estava anoitecendo, voltamos para o hotel para descansar um pouco.

No dia seguinte, depois do ótimo café da manhã do hotel, resolvemos voltar ao Bund para fazer um passeio pelo Rio Huangpu.

Existem alguns tours com diversos tipos de embarcações, mas recomendo comprar com alguma antecedência, de preferência assim que chegar ao local. Quando fomos comprar nosso ingresso, só conseguimos vaga para 2 horas após. Claro que o resto do pessoal acabou desistindo deste passeio.

Shanghai Custom House

Rotina chinesa

Uma das embarcações que fazem o passeio pelo rio Huangpu

Vista do calçadão do Bund

Torre de TV Oriental Pearl

Torre Jin Mao e o Shanghai World Financial Center

Acabei me desligando do resto da turma, que preferiu atividades mais comerciais (leia-se compras). Como o dia estava meio nublado, impróprio para uma melhor apreciação da paisagem, resolvi partir para um passeio um pouco mais alternativo.

Tomei um ferry normal (ticket a meros 20 RMB) que atravessa o rio na direção de Pudong e caminhei a pé por este canto da cidade que simboliza a modernidade, com seus prédios arrojados, dentre os mais altos da Ásia.

Passarela em Pudong

Pudong

A região é mesmo muito bonita e agradável – o tempo aqui estava menos frio do que Beijing, uns 18 graus com um pouco de sol, perfeito  para caminhadas ao ar livre.

Andei bem próximo das construções mais altas da cidade (e da China também): a Torre Jin Mao (atualmente em nono lugar na lista de edifícios mais altos do mundo), a torre de TV Oriental Pearl (minha construção favorita da cidade) e o Shanghai World Financial Center, o prédio que parece um abridor de garrafas gigante, quarto colocado na lista dos mais altos, com quase 500 metros de altura.

Torre de TV Oriental Pearl

Praça em frente à torre de TV

Depois do passeio, voltei de metrô até East Nanjing e fui andar com mais calma pela rua de pedestres.

Entrei na superlotada loja da Apple para ver as novidades e tentei ver se comprava algumas roupas em outras lojas, mas parece que o chinês mais gordo ainda é mais magro do que eu…

Assim como em Beijing, e por ser um viajante solitário, a toda hora “garotas” chinesas me ofereciam os seus serviços, o que me deixou um pouco assustado, tamanho o assédio. Tudo começa com um simpático “Olá, de onde voce é?” para depois vir a oferta indecente.

Para o jantar, estava com saudade de uma massinha tradicional e por isso escolhi uma frugal massa do Pizza Hut em Nanjing mesmo.

E por hoje estava bom!

Anúncios
4 Comentários leave one →
  1. 17 setembro 2012 6:43 pm

    Gostei muito de Shanghai, mas achei que lá o turista era bem mais assediado (no sentido negativo) do que em Pequim. Foi apenas em Shanghai que meu marido foi abordado inúmeras vezes por homens com fotos de mulheres, propondo o serviço delas. Bastava eu estar 2 metros na frente ou atrás!!! Assim que eles viam que estávamos juntos, mudavam o catálogo de mulheres por um de relógios “rolex”!!! Até achei engraçado se não fosse triste! (mas as próprias mulheres, ele não chegou a passar por isso!)

    • 22 setembro 2012 1:13 pm

      Oi Milena,

      Eu senti o assédio tanto em Shanghai quanto em Beijing, mas acho que era porque em todas as vezes estava desacompanhado.

      Já em Hong Kong, não houve nada disso.

  2. 19 setembro 2012 9:04 am

    Tinha pensado nisso, o Shangai WFC parece um abridor de garrafas mesmo. Vi no NGC que o projeto original previa uma abertura circular, mas isso iria lembrar a bandeira japonesa e foi vetado.
    E o ovo de pato, estava bom? 😉

    • 22 setembro 2012 1:15 pm

      Eu achei meio estranha a cor, mas o sabor não chega a decepcionar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: