Skip to content

China – Hong Kong parte 2

26 setembro 2012

Vista noturna de Victoria Hill

Depois de um lauto café da manhã, andei até a estação de metrô de Kowloon da linha amarela, onde tomei um trem até a última parada em Tung Chung na Ilha Lantau. A idéia era visitar o famoso templo Ngong Ping, o do Buda Gigante e o Mosteiro Budista Po Lin.

Metrô – linha amarela

Lá chegando, vi que a fila do cable car (Ngong Ping 360) que leva até o alto da montanha estava quilométrica – e isso porque era um dia de semana!! Ainda não havia caído a ficha de que estava fazendo turismo no país mais populoso do planeta! E numa cidade com mais de 7 milhões de habitantes…

Não fazia sentido perder tanto tempo na fila e, depois de observar os arredores, vi que havia uma linha de ônibus (linha 23) que fazia o mesmo percurso e eu poderia usar o cable car na volta na esperança de não haver tanta fila. E ficava um pouco mais barato do que a ida e volta por via aérea (paguei pouco menos de 100 HKD – US$15, contra 125 HKD – US$ 18).

A viagem de ônibus passava por paisagens muito bonitas em meio às florestas da ilha, mas pareceu interminável – deve ter demorado quase uma hora!

Agora deu para entender que a principal razão para a construção do cable car era simplesmente encurtar o trajeto!

Vamos de ônibus?

Chegada a Ngong Ping

Depois da longa viagem, fomos deixados bem na entrada do complexo, que, além do Mosteiro e do Buda Gigante, ainda possui um movimentado restaurante vegetariano e as indefectíveis lojas de souvenir. O acesso ao local é gratuito.

A atração principal é mesmo o Budão, ou, mais respeitosamente, o Tian Tan Buddha, uma estátua de bronze de 34 metros erguida em 1993, cujo olhar se dirige ao norte, ou seja, para todo o povo chinês, o que ajuda a atrair uma horda de fiéis.

Subi calmamente os 268 degraus da escadaria que leva até sua base, de onde se tem uma linda vista da Ilha de Lantau e onde ficam as estátuas de “devas” fazendo oferendas ao Big Buddha.

Guerreiro

Big Buddha, ou Tian Tan Buddha

Estátuas de “devas”, aos pés do Big Buddha

Ao lado, fica o Mosteiro Po Lin, fundado no início do século passado por 3 monges visitantes e que virou atração turística após a inauguração da estátua do Big Buddha.

Templo principal de Po Lin

Po Lin

No interior do seu templo principal, construído em 1970, encontram-se as estátuas do 3 Budas, representando o Passado, Presente e o Futuro – já vi  isso em algum outro lugar 🙂

As 3 estátuas de Buda no interior do Mosteiro

Depois da imersão budista, era hora de ir embora!

Voltar pelo cable car te dá a chance de contemplar, por 25 longos minutos, a linda paisagem desta que é a maior ilha do arquipélago de Hong Kong.

Ngong Ping 360 – cable car

Depois da descida deu um pouco de fome e a vontade de comer uma massa era maior do que a disposição de procurar algo na praça de alimentação do shopping em frente.

Fui ao Pizza Hut e pedi um delicioso  penne ao molho branco com brócolis e queijo. Claro que havia opções melhores, mas estava gostoooso…

Penne

O shopping em questão se chama Citygate Outlets e não pude resistir  a dar uma olhadinha. Acabei ficando por quase 2 horas, envolvido numa experiência de compras até então inédita na China: um outlet estilo americano, com lojas das grandes grifes e preços chineses. Fiz a festa na Timberland e Tommy Hilfiger!!!

Depois do consumismo desenfreado, voltei de metrô, desta vez indo até o final da linha amarela e descendo na estação Hong Kong. Dei uma passadinha na loja da Apple antes de andar até a parada do ônibus (linha 15) que me levaria até o topo do Victoria Peak.

Mais uma vez fizemos uma viagem longa, além de enfrentar o trânsito caótico da cidade no início do trajeto. Quando começamos a subida, passamos por uma área residencial de alto nível, onde ficam os prédios mais exclusivos da cidade, com vistas privilegiadas.

O trajeto é belíssimo, mas minha idéia de estar lá em cima antes do por-do-sol foi por água abaixo, pois demoramos uma hora para subir, através de estradas sinuosas, os 554 metros até o topo.

Valeu a pena esperar? Claro!!! A vista da cidade no começo do anoitecer é uma das mais bonitas que havia visto. Não acham?

Vista do topo do Victoria Peak

Poderia ter vindo de bondinho, o chamado Peak Tram, que está em operação há mais de 100 anos. Levaria apenas 8 minutos… mas não teria tido o privilégio de curtir a estrada até o topo.

Quando você se cansar da vista lá em cima, você pode entrar na Peak Tower, um prédio meio esquisito no formato de um navio, com várias lojas, simuladores e a filial de HK do horroroso Madame Tussauds (será que eu sou a única pessoa que detesta esta franquia?) e do Ripley’s Believe it or not!.

Há também um terraço (Sky Terrace), cuja entrada é paga, para aqueles que querem ter uma vista desimpedida.

Peak Tower

Victoria Peak

Vista de Kowloon

Tomei o Peak Tram de volta até a cidade, numa viagem super inclinada que passa no meio dos prédios, bem próximo a eles. A tarifa one way me custou 28 HKD (ou a pechincha de US$ 4!!!). Há outros tipos de tarifa, inclusive uma que combina o bondinho com o Sky Terrace. Vejam aqui.

Peak Tram

O ponto final do bondinho é na Garden Road, perto da Embaixada dos EUA. Continuei andando pela rua, passando pela bonita St. John`s Cathedral (abaixo, à esquerda) até chegar ao prédio da antiga Suprema Corte de HK (à direita).

Antigo prédio da Suprema Corte de Hong Kong

Andei mais um pouco até a estação Central e peguei o metrô até o hotel, descendo um pouco depois do hotel para dar mais uma olhada nas feiras noturnas.

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: