Skip to content

California – San Francisco parte 1

10 janeiro 2013
bgzdfxb

Coit Tower vista da Lombard Street em um fim de tarde

Os voos da Copa foram curtos e, apesar do avião apertado e do serviço de bordo fraquinho, não deu para cansar muito. A parada na Cidade do Panamá é bastante conveniente, nem que seja apenas para esticar os pés, tomar um café reparador e fazer window shopping no duty free.

A chegada em Las Vegas ocorreu dentro do horário e sem maiores contratempos na imigração. Fomos no check in da United (agora totalmente automatizado) e em menos de 2 horas estávamos embarcando na última etapa do dia – 1h 30 até San Francisco.

Na chegada, optamos por tomar um táxi, já que estávamos em 4 pessoas – a corrida até o hotel, o Beresford, na Sutter Street, área central da cidade, deu pouco mais de US$50.

Querem saber sobre o  hotel? Ele ficava bem localizado e só 🙂

Neste dia só deu tempo de tomar um banho e comer alguma coisa próximo ao hotel, afinal estávamos acordados desde a noite do dia anterior.

DSC01883

No dia seguinte, a primeira providência foi comprar o passe de transporte que também dá direito a aproveitar sem limites o charmoso (e caro, US$6!!!) cable car, símbolo da cidade.

Compramos o MUNI Passport de 3 dias, tempo exato de nossa estada, por US$ 21 (existem passes de 1, 3 ou 7 dias, este último com a opção de incluir alguns museus e passeios, o que pode ser vantajoso para quem ficar por, pelo menos, 4 dias – vejam todas as opções aqui).

De posse do nosso passe, tentamos embarcar no ponto final do bonde Powell-Hyde, mas a fila era tão grande que desistimos na hora. Ao invés disto, pegamos um streetcar na Market Street com a ideia de irmos até Fisherman´s Wharf, mas decidimos parar na área de Embarcadero, uma parte da cidade que eu ainda não conhecia e que se revelou um ótimo programa para um sábado ensolarado.

bvzb

Descemos em frente ao Ferry Building, que estava apinhado e, seguindo a multidão, fomos parar em uma feira livre, com barracas de frutas, legumes e peixes atrás do edifício.

Um streetcar local

Um streetcar local

Feira livre

Feira livre

Provamos algumas frutas deliciosas, mas logo fomos atraídos pelo interior, que possuía uma variedade de lojas super charmosas vendendo desde apetrechos para casa até vinhos e azeites com toda a espécie de sabores (provei um de limão siciliano que estava alucinante!).

cxbvcx

Lojas internas

Lojas internas

Cogumelos

Cogumelos

bncxn

Diversos azeites

xbxcv

Muito cedo para um vinho?

vvbcv

SF Skyline

bdxzvb

Pombos e Oakland ao fundo

Ainda ficamos admirando um pouco o movimento e a vista da ponte de Oakland antes de tomarmos outro bonde, desta vez sim parando no Wharf.

fdsgbdf

In-crab-dible!

Tinha me esquecido o quão turística esta parte de SF é – me senti no metrô de Hong Kong!

Não dá para negar, contudo que a cidade, assim como o Rio de Janeiro, é mesmo um convite para passeios ao ar livre, principalmente se forem à beira da baía.

Percorremos uma pequena extensão de lojas de lembrancinhas como tartarugas cansadas. Quando já estávamos com sacolas suficientes, nos lembramos de que ainda não havíamos almoçado – já para o restaurante!

Não tinha nenhuma indicação naquela área, portanto fomos naquele que nos pareceu mais simpático. Para falar a verdade, como olhei mais o interior, acabei não dando muita importância para o nome e acabei esquecendo!

vvbbcv

Entrada do Fisherman’s Wharf

DSC01926

Não vai fazer falta,  já que eu não o recomendaria a vocês.

Estaria tudo perfeito se eu tivesse escolhido uma massa, mas fui me aventurar num prato de lulas à milanesa, que estava um tanto quanto gorduroso e enjoativo, no seu molho tártaro convencional. O purê, massudo, também não ajudou em nada!

vb cv

Lulas a doré, não adorei…

Depois do almoço, fomos fazer a digestão na inevitável visita aos leões marinhos, lagarteando ao sol. Estes animais se reuniam anteriormente na Seal Rock, mas por alguma razão desconhecida (talvez por segurança) resolveram invadir a área do Pier 39. De tal maneira, que a cidade resolveu isolar a área e retirar todas as embarcações para a tranquilidade dos bichinhos.

Alguns deles são figurinha carimbada por lá e tem até nome!

vbcv

Os habitantes mais famosos do Wharf

dfgh

Placa

vf

Alguns ícones de SF

Vimos a ilha de Alcatraz ao longe, mas nem pensamos em tomar um barco até lá – sei lá, simplesmente não parecia interessante. Em vez disso, tomamos um bom sorvete como sobremesa e nada melhor do que uma casquinha do Ben & Jerry’s sabor cherry Garcia em plena SF, não acham?

bcvb

Alcatraz sob neblina (ou fora do foco?)

Visitamos a boulangerie Boudin, logo adiante, que também nos deixou meio atordoados com a oferta de coisas deliciosas (e isto porque tínhamos acabado de almoçar!!): os pães com formato de animais, os azeites, massas, enfim, tudo parecia irresistível…

ccvbxc

Ursinho crocante

bzcxv

Mais azeites

Voltamos para o hotel para um descanso rápido, mas continuava com o firme propósito de andar de cable car ainda naquele dia.

Depois de checar e-mails, saí na direção leste e, na esquina da Powell, consegui fazer sinal para um bondinho que ainda possuía algumas vagas.

Desci no meio do trajeto para trocar pelo bonde que faz a linha Powell-Hyde, pois queria aproveitar a vista da Lombard Street ao cair da tarde.

Lombard Street

Lombard Street

 bvcb

Desça aqui!

bvz

Vista do topo da Lombard St.

A Lombard é aquela famosa rua cheia de curvas da cidade. Segundo consta, o declive neste quarteirão é muito grande e eles foram obrigados a fazer o trajeto da rua em 8 curvas fechadas para permitir o tráfego de automóveis. Balela!!! Já vi ladeiras muito mais íngremes em Belo Horizonte!

vbcv

Vista de baixo

Anyway, este trecho da rua é mesmo muito fotogênico, ainda mais com os jardins super bem cuidados em suas laterais. O fim de tarde só favorecia as fotos, ajudadas pelo fato de estarmos no topo de uma colina e podermos ter uma visão de várias partes da cidade.

cbvxzc

Jardins em Lombard

xbvxcb

Olha o carrinho estiloso!

Na volta, ainda deu tempo de admirar outra construção símbolo de San Fran: a “pirâmide” da Transamerica.

vxcv

Transamerica Pyramid

Depois da andança bateu uma fome… Queria ir ao Cheesecake Factory, mas a fila estava imensa como sempre e desisti. Tive que me contentar com um restaurante thai próximo ao hotel que oferecia pratos simples, mas gostosos.

Anúncios
6 Comentários leave one →
  1. 14 janeiro 2013 7:57 am

    Oi, JB. Tudo bem? 🙂

    Seu post foi selecionado para a #Viajosfera, do Viaje na Viagem.
    Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Até mais,
    Natalie – Boia Paulista

  2. Carol Kimura permalink
    6 fevereiro 2013 9:15 am

    JB
    Foi muito bom ler aqui sobre SF. Estou indo em breve e vc me deu dicas excelentes, pois o seu roteiro é bem parecido com o meu…
    Estou ansiosa para ler o restante da viagem…
    Abs e parabéns pelo blog,
    Carol

    • 15 fevereiro 2013 8:16 pm

      Oi Carol,

      Obrigado pela visita. Os próximos posts já estão no forno!

  3. 1 março 2013 6:30 am

    Essa área do Embarcadero é bem legal… Eu também não conhecia – foi novidade pra mim no nosso pit stop em SF ao final da VAM! 😉

    • 1 março 2013 8:28 pm

      Também achei uma grata supresa…e tb não conhecia!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: