Skip to content

Russia – St. Petersburg – Chegada

7 agosto 2015

DSC04020

Dia de acordar cedo, tomar um banho, coletar nosso café da manhã para viagem gentilmente oferecido pelo hotel (um sanduíche e um suco) e andar até a estação central, antes do nascer do sol.

DSC03688DSC03691Saímos de Helsinki no trem das 06:12. Há 4 horários diários em cada direção e o trem é, sem dúvida, a maneira mais rápida de se fazer o trajeto entre estas duas cidades.

IMG_20150419_053228557

O trem é bem moderno e confortável, com 7 vagões incluindo um vagão-restaurante. Com capacidade para 337 passageiros (sendo 48 na primeira classe, que ainda oferece jornais e lanches quentes), tem equipe de bordo fluente em russo e finlandês, além do inglês, claro.

As poltronas são reclináveis, com apoio para as pernas, luz individuais, cabideiro e um indispensável soquete para carregar celulares ou laptops.

DSC03697IMG_20150419_053108438_HDRDesde que se faça a reserva com alguma antecedência, a passagem é bem acessível e custa menos de 30 euros na segunda classe (60 euros na primeira classe).

Você pode comprar passagens on-line entre a Finlândia e a Rússia neste endereço.

DSC03698

O trem faz paradas em 3 cidades na Finlândia antes de cruzar a fronteira.

A imigração foi feita de forma bastante tranquila: ainda em solo finlandês, oficiais olharam nossos passaporte; depois de estarmos em território russo, foi a vez dos oficiais daquele país carimbarem nossos documentos.

IMG_20150419_085200846

A primeira cidade russa que vimos foi a simpática Vyborg (foto abaixo).

DSC03699

A cidade fica logo após a fronteira e mudou de lado várias vezes, sendo a última em 1944 quando a Rússia a tomou do país vizinho.

DSC03700

A viagem é bem rápida – em pouco mais de três horas e meia já estávamos na famosa Estação Finlândia (ou Finlyandskiy vokzal) ponto de chegada em St. Petersburg.

IMG_20150419_101805460

IMG_20150419_095924328

Fomos trocar dinheiro na estação e conseguimos uma taxa bastante aceitável, visto que este parecia ser o único lugar para se conseguir rublos nas imediações.

Quando saímos, todos os táxis que havíamos visto e que estavam à espera dos passageiros haviam sumido. Ficamos esperando uns 15 minutos, mas nenhum táxi passava.

Decidimos ir até a frente da estação e vimos um taxista parado no estacionamento que nos cobrou 400 rublos para o trajeto até o hotel – aparentemente eles ficam parados esperando os clientes e não o contrário, como na maioria dos países.

DSC03701

Reservamos um Novotel, pois os hotéis próximos à Nevsky Prospekt, principal avenida da cidade e onde queríamos ficar, pareciam antigos.

DSC03710DSC03707Seguindo o padrão conhecido da linha Accor, o Novotel St. Petersburg Center ficava em uma ruela, bem próximo ao burburinho da Nevsky, mas suficientemente tranquilo e silencioso. Tinha ótimo café da manhã e quartos pequenos, mas aconchegantes.
IMG_20150419_110017396_HDR

Passeamos um pouco pela Nevsky, mas logo voltamos ao hotel pois tínhamos uma apresentação de ópera no fim da tarde no lindo Teatro Mariinsky 2.

DSC03711

O Teatro Mariinsky original (este verde da foto abaixo) foi inaugurado em 1860 para abrigar espetáculos de ópera e balé e foi palco de estreias de obras de Tchaikovsky, Mussorgsky e Rimsky-Korsakov.

IMG_20150419_182709277

O seu irmão mais novo, o Mariinsky 2, foi inaugurado em maio de 2013 – moderno, mas planejado com a concepção clássica da sala de concerto, tem acústica impecável, além de estar tinindo de novo. Virou o xodó dos habitantes locais.

DSC03717

Com quase 80 mil metros quadrados e com capacidade para 2.000 pessoas, é uma das maiores salas de concerto do mundo.

DSC03720

Nossos ingressos eram para a igualmente famosa ópera Turandot, de Puccini, que foi magistralmente interpretada. Ainda bem que conhecia um pouco da história, pois as legendas foram em russo.

IMG_20150419_182128282

Abaixo se vê o elenco, fantástico! Como esperado, a ária “Nessum Dorma” foi o ponto alto do espetáculo.

DSC03725

Ao sairmos, nos deparamos com uma inesperada nevasca. Achar um táxi era tarefa ingrata e os motoristas aproveitavam para cobrar preços majorados. Dos 1000 rublos iniciais pedidos, conseguimos achar um que nos levasse de volta ao hotel por 600 rublos – mesmo assim cerca de 50% mais caro do que pagamos na vinda. Pelo jeito o  taxímetro é pouco utilizado por aqui.

DSC03703

E a aventura russa estava apenas começando…ainda tinha muito mais!

DSC03832

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: