Skip to content

Europa 2016- Itália – Como

7 fevereiro 2017

dsc06664

Depois do passeio a Bellagio, pudemos nos concentrar em desbravar a pé a parte histórica – bastante compacta, por sinal –  de Como.dsc06643

Nosso apartamento alugado no Airbnb ficava fora do centro, mas com apenas 5 minutos de caminhada pela Via Milano já estávamos na Porta Torre, uma fortaleza de 40 metros (foto ao lado), construída com fins defensivos em 1192, na parte sul do centro histórico.

Através de suas ruelas e driblando a chuva fina conseguimos chegar até a principal atração de Como, sua belíssima Catedral, cuja construção começou em 1396 e perdurou por quase quatro séculos até que, finalmente, sua cúpula ficou pronta em 1740.

 

dsc06648

dsc06653

dsc06645

Com seu estilo indefinido, misturando gótico, rococó e outros estilos, função da demora na sua construção, é um ícone que representa a posição de destaque que a cidade possuía, sendo uma importante ligação entra a Itália e os países vizinhos ao norte.

Apesar da mistura, os diversos arquitetos conseguiram uma harmonia impressionante. Em seu interior se encontram algumas estátuas, além dos sarcófagos de dois bispos.

A Catedral é também é conhecida como a Cattedrale di Santa Maria Assunta ou o  Duomo di Como.

Aberta nos dias de semana das 10h30 às 17h, nos fins de semana apenas das 13h às 16h30, tem entrada gratuita.

Continuando a caminhada pelo centro e passando pela parte de trás da Catedral, chegamos até o Teatro Sociale.

dsc06642

O Teatro Sociale uma obra do arquiteto italiano Giuseppe Cusi, foi construído no antigo local onde ficavam as ruínas da Torre Rotonda do castelo medieval. Este teatro chegou a se transformar em um cinema por um período na década de 1930, mas ao final da Segunda Guerra, se tornou a alternativa do Teatro Scala de Milão quando este ficou avariado.

dsc06654

dsc06650

Passamos pela bela Chiesa di San Giacomo, uma das mais antigas da cidade, construída no século 10.

Sua fachada de cor ocre é obra do arquiteto italiano Giovanni Antonio Piotti.

Em 1578, parte da igreja foi demolida, devido à maior influência da Catedral e nos séculos seguintes passou por algumas reformas até a década de 1970, quando a seu estilo renascentista foi restaurado.

Por fim chegamos à beira do lago, passando pela Piazza Cavour (foto abaixo) e saindo em frente ao Giardino dei Tempio Voltiano.

dsc06656

Este jardim à beira do lago é uma ótima opção para um  passeio de fim de tarde – nesta época suas árvores coloridas denunciavam a estação do ano.

dsc06671

Dos jardins pode-se ver ao fundo a Villa Olmo toda iluminada, uma da mais luxuosas mansões à beira do lago, construída no século 18. O complexo, com vários edifícios, hoje funciona como um centro de exposições, além de possuir cassinos, um hostel e até quadras de tênis.

dsc06669

Ao fundo se vê parte de Brunate, uma comuna vizinha, com suas casas ocupando boa parte do morro. A cidadezinha é conhecida por abrigar um funicular de onde se pode ter uma vista panorâmica do lago e suas cidades, mas como o tempo estava feio, decidimos não subir.

dsc06670

Funcionando todos os dias de 6h às 22h30 e até às 24h nos fins de semana, com saídas a cada meia hora, a viagem no funicular dura 7 minutos até o topo. Custo? 3€ ou 5,50€ ida e volta.

dsc06662

Voltando ao parque, uma de suas atrações é o Templo de Volta (Tempio Voltiano), um museu dedicado a um dos cientistas italianos mais famosos, Alessandro Volta, inventor da pilha elétrica que nasceu aqui em 1745.

O edifício, em estilo neoclássico, foi erguido em 1927 para coincidir com o aniversário de 100 anos do cientista, mas só foi inaugurado no ano seguinte. Possui uma coleção de instrumentos científicos usados por Volta, além de alguns objetos de uso pessoal, incluindo os diversos prêmios recebidos por ele.

dsc06672

Também em homenagem ao famoso cientista local, foi erguido em 2013 um monumento chamado “The Life Electric” ao final do pier. Obra do arquiteto Daniel Libeskind, tem quase 17 metros de altura e foi inspirado na tensão que ocorre entre dois polos de uma pilha elétrica.

dsc06665

Voltamos ao centro histórico e desta vez passamos em frente à Basílica de San Fidele, uma das mais antigas da cidade, construída provavelmente em 1120 e modificada várias vezes com o passar dos tempos, especialmente a fachada e a torre do sino.

Logo ao lado, vimos um simpático mercado de rua e seguimos de volta (sem trocadilho!) para o apartamento.

Fomos jantar em uma pizzaria chamada Napole è, na Via Luigi Dottesio. Pela módica quantia de 8€ pude degustar uma deliciosa pizza à moda de Nápoli, com bordas aeradas e o verdadeiro tomate marzano, perfeito para degustar com um belo azeite de oliva. Escolhi a cobertura de prosciutto e carcioffi, sensacional!

dsc06674 dsc06676

Esta pizza já valeu a pena ter vindo a Como, mas a cidade tem muito mais do que a gastronomia e vale a pena passar alguns dias pela região. Se o tempo for curto, faça um bate-e-volta de Milão para mudar um pouco de ares. Você não vai se arrepender!

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: