Skip to content

Buenos Aires – Ida a um restaurante “puertas cerradas”

30 abril 2015
Site do Paladar

Site do Paladar

Em agosto do ano passado, durante uma viagem à capital argentina, resolvi testar uma experiência gastronômica que floresceu na cidade há um certo tempo: o que os portenhos chamam de restaurante puertas cerradas, ou a portas fechadas.

A proposta é oferecer a poucos clientes (normalmente entre 10 e 30) um menu de vários passos, que muda constantemente e normalmente vem chancelado por um chef renomado. Os endereços são mantidos à sete chaves até que a reserva (obrigatória na maioria dos casos) seja confirmada. Na maioria das vezes, as casas ficam em bairros fora do circuito turístico, como Chacarita, Barrio Norte ou Almagro.

Depois de muito pesquisar, resolvi reservar uma mesa no Paladar, que funciona em um sobrado em uma tranquila rua do bairro de Villa Crespo e tem influência judaica em sua culinária.

O menu de 5 passos, no fim de semana de agosto em que fomos, está descrito abaixo:

Hacé tu reserva.

Comandado por Ivana Pinar (sommelier) e Pablo Abramovsky (chef), o restaurante abriu suas portas (paradoxal, não?) em setembro de 2013. O plano inicial era apenas ministrar aulas de culinária, que terminavam em saborosos jantares. Tamanho foi o sucesso que o casal decidiu investir em um projeto maior, a partir de março de 2014.

Site do Paladar

Site do Paladar

A residência é sobriamente decorada e o atendimento é personalizado: o chef vem à mesa explicar os detalhes de cada um dos pratos.

IMG_20140823_211603140IMG_20140823_211803122Começando os trabalhos, tivemos, pãezinhos e torradas forrando o estômago até a chegada do amuse bouche: o Knish, um bolinho de batata com ricota e kummel (em português é conhecido como alcarávia!), bem saboroso.

Um aperitivo de espumante com pêssego acompanhou a entrada.

IMG_20140823_212006585

IMG_20140823_213155371Uma das particularidades do restaurante é que o convênio estabelecido com algumas bodegas para a maridaje de vinhos – naquele mês de agosto, os exemplares vinham da Bodega del Fin del Mundo, como o ótimo Pinot Noir mostrado acima.

A entrada foi uma ótima sopa fria de beterraba com mascarpone e almôndegas de salmão, ponto alto do jantar.

IMG_20140823_213515773

O prato principal era um pastrón defumado com batatas roesti, pepinos acridoces, crumble de centeio e cenoura ao tomilho e um toque de mostarda. O nome é pomposo, mas o resultado final deixou a desejar pois a carne estava um pouco dura.

IMG_20140823_221105011

Antes da sobremesa, um pequena e refrescante prova de sorvete de chá negro, lavanda, lichia e hibiscus. Voilá: o paladar estava pronto para o próximo prato…

IMG_20140823_223236437

…que eram rolinhos crocantes de banana, chocolate e pão de mel, uma delícia. Pena que a foto não fez jus ao prato.

IMG_20140823_231105431

O preço, com maridaje de vinhos, foi de 350 pesos (250 pesos sem vinho), que saiu por aproximadamente RS$80 ao câmbio blue da época. Uma pechincha.

Vale verificar o preço atual no site do restaurante.

Foi uma experiência gratificante, embora o prato principal estivesse abaixo da média. Fiquei com vontade de visitar outros exemplares da capital portenha. Na próxima vez, quem sabe?

Sudeste Asiático 2014 – Tailândia – Bangkok dia 21

9 abril 2015

DSC03328

Continuando com os passeios nesta linda cidade, neste último dia da viagem escolhemos finalmente visitar a Casa do Jim Thompson, na região de Siam Square.

Deixamos a mala na recepção do hotel e saímos de táxi até lá.

DSC03226

A casa pertenceu a Jim Thompson, um empreendedor americano que ficou famoso por ser o mestre no comércio de seda para o mercado ocidental.

DSC03233

Esta casa foi construida com sobras de materiais presentes em casas tailandesas tradicionais, em um desenho arquitetônico brilhante. vários objetos pessoais dele estão expostos nos vários cômodos.

Jim Thompson desapareceu misteriosamente na selva malaia em 1967, em circunstâncias ainda não explicadas.

DSC03250 DSC03236Existe uma ótima visita guiada, já inclusa no preço do ingresso, de 100 baht (cerca de US$ 4, na época).

DSC03242

DSC03243DSC03247

Visitas podem ser feitas todos os dias, das 9h às 17h. Há um simpático restaurante servindo refeições leves, mas não tivemos tempo de experimentar.

DSC03246

Andamos um pouco pela região e visitamos o Bangkok Art and Culture Center, uma espécie de Guggenheim tailandês. Não havia muita coisa para se ver, portanto seguimos em frente.

DSC03258

 

DSC03254 DSC03251

Aproveitamos para fazer uma boquinha no mesmo local do dia anterior, no Siam Paragon: a salada fez tanto sucesso que repetimos a dose!

DSC03259DSC03268Depois do almoço, tomamos o Sky Train até a estação de  e de lá um barco pelo Chao Praya, apreciando a paisagem vespertina e os templos na beira do rio.

DSC03264

Acabamos descendo no Wat Pho para uma visita rápida.

Este templo (nome verdadeiro:  Wat Phra Chetuphon Vimolmangklararm Rajwaramahaviharn) é um dos meus preferidos em Bangkok: cheio de cantos e ângulos pitorescos e também local de uma das melhores massagens.
DSC03306 DSC03302

Fica ao lado do Grande Palácio, outra atração imperdível da cidade, em uma área de 80 mil metros quadrados.

Em seu pavilhão externo, há cerca de 400 imagens de Buda, como as da foto abaixo à esquerda.

DSC03296 DSC03295

 

 

DSC03293

O seu Buda deitado é um dos maiores do mundo e com certeza, a principal razão para a quantidade enorme de visitantes. Com 15 metros de altura e 43 de comprimento, folheado a ouro e com seus pés cravado de madrepérolas, é mesmo uma belezura!

DSC03283 DSC03282

DSC03279

Além da beleza do templo e de seu Buda deitado, muitos turistas vem aqui atrás das famosas massagens, parte do Centro para Ensino e Preservação da Medicina Tailandesa, com sede em Wat Pho.

As massagens são bem concorridas, esperamos por quase meia hora. Recomendo a “foot massage”, minha preferida. Os preços também são um tiquinho superiores a outros locais ( 420 baht por uma hora e 280 baht por meia hora), mas vale a pena!

DSC03324 DSC03329 Tivemos tempo de pegar o por do sol dentro do templo, o que rendeu fotos fantásticas.

E estas foram as últimas imagens que tivemos de Bangkok antes de voltarmos ao hotel, pegarmos a mala e o táxi para Suvarnabhumi.

Mais uma vez a cidade continua a me encantar de uma maneira incrível, me fazendo sonhar com uma volta em breve.

Sudeste Asiático 2014 – Tailândia – Bangkok dias 19 e 20

26 março 2015

DSC03096

Bangkok é uma cidade fascinante. Acho que sempre vou querer passar por aqui quando estiver no Sudeste Asiático. Como a cidade é um dos hubs da região, juntamente com Kuala Lumpur e Cingapura,  isso não será tão difícil, felizmente.

Programamos dois dias neste metrópole, retrato quase fiel saído da imaginação do Philip K. Dick (que escreveu o livro que deu origem ao filme Blade Runner): caótica, perfumada, quente e futurista.

Chegamos pelo Aeroporto de Don Mueang, um pouco mais próximo da cidade do que o Suvarnabhumi.

Escolhemos um hotel mais próximo ao Chao Praya. Sua localização era imbatível, já que ficava em frente à  estação Surasak do Sky Train, um dos melhores meios de locomoção da cidade.

DSC03098 DSC03099Além da localização, o hotel conta com quartos espaçosos, uma piscina alucinante no 21° andar, alguns restaurantes e preços fantásticos para um 5 estrelas : um quarto duplo saiu a pouco menos de US$ 100 a diária, pela cotação vigente na época.

DSC03101

Desta vez não utilizamos muito o Sky Train já que, com duas pessoas, andar de táxi faz mais sentido. Tente apenas evitar os horários de pico, quando o trânsito fica ainda mais caótico.

DSC03104

Chegamos com fome e, depois de tomar o Sky Train para a região de Siam Square, entramos no shopping Siam Paragon até encontrar um grande supermercado com uma área de alimentação, onde se podia montar sua salada a quilo, com diversos e saborosos ingredientes.

DSC03108

Fizemos nossos pratos e escolhemos um suco de lichia e voilá: um almoço rápido, saudável e barato estava pronto!

DSC03109

Depois caminhamos em direção à casa do Jim Thompson, mas informações desencontradas nos levaram a errar o caminho, o suficiente para encontrarmos o local fechado no fim da tarde.

DSC03113

Voltamos para o hotel para descansar um pouco das andanças. Tomamos o Sky Train e descemos na porta do hotel.

DSC03219

Desta vez não fomos tão longe, pois paramos logo ao lado do hotel para checar o restaurante Blue Elephant.

Demos uma olhada no cardápio e gostamos bastante, mas estávamos de bermuda, roupa não muito adequada ao formalismo do local. Não tivemos problema: prontamente nos emprestaram alguns saris para que pudéssemos curtir o jantar.

DSC03220

E que jantar: apesar da comida estar com nível de pimenta acima do esperado, estava tudo delicioso. Os preços eram um pouco mais altos em se tratando de Bangkok, mas considerando-se a qualidade da comida, estavam bem camaradas.

IMG_20141120_205524868 IMG_20141120_210104356 IMG_20141120_211613794

No dia seguinte partimos para os passeios: primeira parada foi no Vimanmek Palace, a maior construção de teca no mundo, que fica no Parque Dusit.

DSC03120

Já havia visitado este local quando estive aqui pela primeira vez (veja o relato neste post).

DSC03122

O palácio foi residência do Rei Rama X no começo do século 20 e ainda podem ser vistos diversos objetos pessoais da realeza.

DSC03126

Continuo achando um recanto bem tranquilo da cidade e uma atração imperdível, ainda mais se considerarmos que você vai visitar o Wat Phra Kaeo/Grand Palace e o ingresso já inclui a Vimanmek Palace como bônus.

DSC03130 DSC03134Deve ser respeitado o dress code, que proíbe bermudas muito curtas ou blusas muito decotadas. Caso você se encaixe em um destes casos (como nós, que estávamos de bermuda, no calor senegalês de Bangkok), há sarongs e t-shirts para venda.

DSC03129

O Vimanmek fica aberto todos os dias (exceto segundas) das 9h às 15h15, com ingresso a 100 baht (equivalente a US$ 4, no câmbio da época) para estrangeiros e quem não possui o ingresso do Wat Phra Kaeo, lógico.

Continuando por aquela área, tomamos um táxi até o Loha Prasat, um dos mais notáveis templos da cidade, com sua arquitetura única.

DSC03170

O Rei Nangklao (Rama III) começou a construir o Loha Prasat em 1846, inspirado em um templo de Sri Lanka, porém só recentemente foi finalizado. O templo fica rodeado por outro chamado Wat Ratchanaddaram.

DSC03142DSC03151

DSC03139DSC03141

Possui 37 espirais de metal (daí ser conhecido também como “Castelo de Metal”), cada uma representando uma das virtudes para alcançar o iluminamento.

Das 3 construções deste tipo, esta é a única que ainda sobrevive no planeta.

DSC03154DSC03155

DSC03156 DSC03160

DSC03162 DSC03163

 

Logo depois andamos até o Wat Saket, mais conhecido como o Monte Dourado ou ‘Phu Khao Thong’.

DSC03172 DSC03176

Sua origem remonta ao período de Ayutthaya (entre 1350 e 1767) e sofreu restaurações durante o reinado de Rama I, no século 18.

DSC03177 DSC03182

Fica em uma colina artificial em cujo topo um enorme chedi dourado. Um chedi, ou stupa, é uma estrutura hemisférica cujo interior contém relíquias budistas, normalmente as cinzas de monges budistas, e utilizado como local de meditação.

A subida ao topo é feita por uma escada que circunda o monte e tem 300 degraus de poucos centímetros de altura, fazendo com que se dê vários passos pequenos.

DSC03185 DSC03188

DSC03194

Durante o século 18, Wat Saket foi utilizado como crematório para cerca de 60 mil vítimas da praga.

DSC03195 DSC03198

DSC03199 DSC03202

 

Continuando com os passeios, desta vez escolhemos um tuk tuk como transporte e, como sempre, foi muito divertido, embora este tipo de locomoção seja bem mais caro do que o táxi, mesmo  após a pechincha.

Vale pela experiência!

DSC03209

Fomos deixados na Khao San Road a ruela ícone dos mochileiros e adoradores de bugigangas anônimos. Eu acho a rua a cara da cidade e sempre me divirto bastante com a clientela local e estrangeiros.

DSC03214

Os aromas e quantidade de barraquinhas vendendo comida na rua são um atrativo para quem está com fome.

DSC03216

Fizemos uma das massagens mais baratas da viagem e acabamos almoçando por aqui mesmo (mas preferimos comer indoors).

DSC03218

Voltamos pra o hotel no trânsito infernal da cidade e aproveitamos um pouco da piscina antes de sair para o próximo passeio.

Fizemos uma visita ao Asiatique, um complexo de entretenimento à beira do Chao Praya, com diversas lojas, restaurantes, música ao vivo e até uma roda gigante.

IMG_20141121_210750898

O local era a sede do antigo pier da East Asiatic Company, dedicado ao comércio de teca.

IMG_20141121_210524973

O complexo foi inaugurado em maio de 2012, portanto depois da minha primeira visita à cidade. Sem dúvida já se tornou um dos locais mais agradáveis para um passeio, conjugando comprinhas e comidas

IMG_20141121_205543242

Jantamos no restaurante italiano Capri – escolhemos um prato de frios para entrada…

IMG_20141121_212623684

…e uma massa com cogumelos e foie gras para arrematar.

IMG_20141121_213536579

Assim terminou mais um dia nesta cidade fantástica e de altíssimo astral. Nem a bagunça na fila do táxi conseguiu nos tirar do sério – apenas andamos mais à frente e pegamos um táxi que nos cobrou a tarifa normal sem a taxa extra por estar no Asiatique.

Sudeste Asiático 2014 – Siem Reap, Camboja dias 17 e 18, ida a Angkor

22 março 2015

DSC02990

O voo da Jetstar saiu um pouco atrasado de Cingapura, mas as 2h25 passaram bastante rápido. Como estávamos sentados nas primeiras filas, pudemos sair rapidamente e preencher os formulários do visto antes dos outros passageiros do voo. Dica preciosa!

O visto de turismo tem preço de US$ 30 e vale para 30 dias – o processo todo é bem engraçado, pois seu passaporte vai passando na mão de vários oficiais cambojanos até finalmente ser entregue de volta.

Saímos do pequeno mas arrumadinho aeroporto e fomos direto contratar um táxi ate o hotel. Como aqui as coisas são tratadas diretamente em dólares, não há necessidade de sacar moeda local nos ATMs. Conseguimos táxi a US$ 7 e chegamos lentamente ao hotel cerca de 20 minutos depois.

À primeira vista o Khmer Mansion Boutique Hotel parecia agradável, mas aos poucos fomos descobrindo coisas que nos deixaram desapontados. Nosso quarto era no terceiro andar, sem elevador. Havia um cheiro desagradável no banheiro, que também não possuía cortina que fechasse completamente a área do chuveiro.

Do lado esquerdo havia uma obra que começava a martelar às 7 da manhã. Do outro lado, um bar com música ao vivo que terminava após as 23h! Nossa primeira impressão de Siem Reap não foi das melhores. Pelo menos não podemos reclamar da localização: ficamos bem próximos da Pub Street!

Para culminar resolvemos contratar, no hotel, transporte para ver o por do sol em Angkor e fomos informados de que deveríamos ir de tuk tuk pois o táxi demoraria um pouco para chegar ao hotel.

DSC02909

Pagamos US$ 7 pelo tuk tuk mais lento da face da Terra, que era ultrapassado pela bicicleta mais lerda. resultado: chegamos 2 minutos após fecharem o acesso ao morro de onde veríamos o por do sol, já que ainda tivemos que parar no meio do caminho para comprar o passe para os templos (compramos para um dia, por US$ 20, que dava direito ao por do sol desse dia até o dia seguinte).

DSC02912

Voltamos frustrados e aborrecidos ao hotel e reclamamos sobre o ocorrido. A partir daí, fomos tratados como reis, com milhões de pedidos de desculpas, ofertas de drinks gratuitos, transporte grátis para ver o por do sol no dia seguinte e mimos diversos.

No dia seguinte saímos bem cedo para ver o nascer do sol em Angkor Wat, um dos programas mais disputados do local. Desta vez conseguimos chegar a tempo, apesar de termos achado que seria um repeteco do dia anterior, já que o nosso motorista chegou 15 minutos atrasado.

Na chegada, conseguimos um lugar imprensado no meio da horda de turistas que nos garantiria fotos sem obstáculos à frente.

E, justiça seja feita, é mesmo um espetáculo ver o sol nascer por trás do templo. Inúmeras fotos não dão a noção exata do que se trata, mas vejam que belezura!

DSC02918

DSC02942

DSC02943

DSC02954

DSC02969

DSC02979

O café da manhã era muito bom, a la carte. Pedimos a opção americana, com pães, ovos mexidos, bacon, salsicha, tomate, frutas, suco e café.

IMG_20141119_074149619

IMG_20141119_074535436

Nem deu tempo de descansar após o café – em poucos minutos o nosso guia chegou no hotel e logo depois saímos em um carro confortável, com ar condicionado e água gelada para explorarmos os templos.

O complexo de Angkor é gigantesco, com centenas de templos. Além de Angkor Wat, os templos mais visitados são Angkor Thom e o Ta Prohm (veja o mapa abaixo).

O que resta hoje é apenas a ponta do iceberg de um império que se estendia de Myanmar ao Vietnam.

Assim como aconteceu com outros templos do sudeste asiático, ficou esquecido por algum tempo até que, no início do Século 20, um grupo de arqueologistas franceses iniciou  um árduo e demorado trabalho de recuperação, com ênfase na remoção da vegetação que estava destruindo os templos. Fizeram um excelente trabalho!

Hoje em dia, vários países financiam projetos de restauração, cada um cuidando de uma parte específica do complexo.

DSC02993

O Rei Jayavarman II, que estabeleceu as bases do Império Khmer, unificou os dois estados que hoje formam o Cambodia no início do Século 9. O seu filho, chamado Yashovarman, estabeleceu a cidade de Yashodapura, mais tarde chamada de Angkor, ao norte do Tonle Sap (Grande Lago). Angkor permaneceu capital do Império até o século 15.

DSC02996

Começamos nosso passeio visitando Angkor Thom, obra do Rei Jayavarman VII.

Entramos por um de seus cinco majestosos portões. Em cada um deles, há 54 estátuas de deuses à esquerda e o mesmo número de representações de demônios à direita do corredor de acesso. O número 108 era auspicioso para os budistas.

DSC03005

O nosso guia era esforçado e nos acompanhava a todos os lugares, mas seu inglês era incompreensível, o que prejudicou bastante o entendimento das histórias e detalhes dos monumentos.

DSC03028

Um dos principais destaques é o templo conhecido como Bayon, que se situa exatamente no centro desta cidade (Angkor Thom significa Grande Cidade em sânscrito), que, nos seus tempos áureos, chegou a ter um milhão de habitantes!

A sua posição central indicaria a interseção do Céu e da Terra, de acordo com a cosmologia hindu.

Existem vários murais com esculturas em baixo relevo, impressionantes.

Outra de suas características são as enigmáticas e sorridentes representações de Avalokiteshvara, um bodhisattva (“ser iluminado”) que incorpora a compaixão de todos os Budas.

DSC03015 DSC03019Passear no lombo de um elefante também pode ser uma atividade a ser feita no local. Não posso recomendar porque não fizemos.

DSC03032

O local estava apinhado de turistas, tornando difícil conseguir uma foto apenas das construções.

DSC03035 DSC03047Saindo de Bayon, encontramos uma grande estátua de Buda e acompanhamos um pouco o ritual dos fiéis.

DSC03037

Saindo de lá, visitamos outro templo, chamado Baphuon.

DSC03039

Este templo estava sob um projeto de restauração quando os arqueologistas responsáveis foram expulsos pelo Khmer Rouge, durante a Guerra Civil em 1972, o que destruiu grande parte do trabalho de reconstrução até aquele instante. Não por acaso, hoje é aqui onde os esforços de restauração estão concentrados.

DSC03041

DSC03065 DSC03069Similarmente a Angkor Wat, este templo é uma representação piramidal do Monte Meru (a moradia dos devas, de acordo com o budismo, deva sendo um dos mais poderosos seres não-humanos).

DSC03044

Medindo 120 por 100 metros em sua base, este templo foi dedicado à deusa Shiva.

DSC03049

A última visita da manhã foi em Ta Prohm, um dos mais pitorescos dos templo em Angkor. Tanto que já foi objeto de filmagens diversas, a mais conhecida do filme Tomb Raider, com Angelina Jolie.

DSC03062 DSC03057

Normalmente é o local mais apinhado de turistas, não sem razão: no meio de densa vegetação, com várias e enormes árvores cujas raízes penetram as inúmeras construções, tem uma aura de mistério e é incrivelmente fotogênico.

DSC03063

O que pode parecer um desleixo dos arqueologistas na verdade é proposital. A intenção aqui é realmente deixar o local do jeito que foi encontrado, exibindo uma relação simbiótica entre a natureza e as construções.

DSC03054

Pausa para o almoço, em um dos restaurantes do complexo. Escolhemos um amok shrimp, uma variação bem gostosa do amok fish, o prato mais incensado aqui no Cambodia.

DSC03064

Depois do almoço, chegou a hora de visitar a cereja do bolo: Angkor Wat.

DSC03066

Construído entre os séculos 9 e 13, Angkor Wat se tornou o maior templo religioso do mundo, exemplo maior da arte Khmer, com claras influências da arquitetura indiana, mas que evoluiu intensamente e incorporou características de outras culturas.

É também o mais bem preservado dentre todos os templos do complexo.

DSC03067

O responsável pela construção de Angkor Wat foi o Rei Suryavarman II, que reinou entre 1103 e 1145. Ele dedicou o templo ao Deus Vishnu.

DSC03093 DSC03094 Entra-se em Angkor Wat normalmente  através de  um corredor de 12 metros de largura por 250 metros de comprimento, ladeado por um fosso  com um perímetro de 5,5 quilômetros.

DSC03070

O templo também foi construído seguindo a representação do mítico Monte Meru, por isso o fosso, a forma de pirâmide e as cinco torres, tendo a maior 65 metros de altura.

DSC03078

DSC03079

Aqui foi onde senti mais falta de um bom guia para compreender a estória por trás dos incríveis baixo-relevos, principalmente o conhecido como The Churning of the Ocean of Milk, que relata a epopeia dos deuses e demônios que escavaram o oceano para produzir o elixir da imortalidade. Poético, não?

Inicialmente um templo hindu, foi convertido em um templo budista no século 14, por isso se vê algumas estátuas de Buda.

Sua construção utilizou blocos de arenito retirados de uma colina cerca de 30 km ao norte do local, provavelmente transportados através de canais.

DSC03086

Sem dúvida é o mais impactante templo do complexo e que merece ser visitado logo pela manhã, com menor afluxo de turistas.

DSC03090

Você sabia que todo o complexo pode ser explorado através do Google Street View? Claro que não se compara com a visita in loco, mas não deixa de ser uma experiência fascinante.

Extenuados, voltamos para o hotel para aproveitar um pouco a piscina e finalmente tomar aquele drink de cortesia.

IMG_20141120_094356947

À noite, o passatempo principal dos turistas é fazer o desfile na Pub Street e em suas vielas transversais e becos coloridos. Repleta de restaurantes, bares e lojas vendendo produtos de procedência duvidosa, é uma versão anabolizada da Khao San Road em Bangkok.

IMG_20141118_201220417

IMG_20141118_201629106

Já havíamos tido esta experiência sensorial na primeira noite em Siem Reap para o jantar.

Gostamos tanto da ida ao restaurante Il Forno que repetimos na noite seguinte.

Situado em um dos becos e comandado por um italiano legítimo e falante e , a comida e o atendimento são acima do esperado, isso sem falar nos preços absurdamente baratos.

Antes do jantar, aproveitamos as incríveis ofertas da happy hour da Pub Street e tomamos alguns drinks por apenas US$2 cada – foi um festival de piña coladas e margaritas que nos deixou calibrados para o jantar.

Como aperitivo, umas deliciosas bruschetas, dentre as quais se destacava a de presunto de parma.

 

IMG_20141118_202532726

Para prato principal, nada como una vera pasta carbonara, com um delicioso e cremoso molho e pedaços de bacon na medida certa.

Tudo isso acompanhado de um vinho italiano mediano, mas que cumpriu sua função.

IMG_20141118_204212532

Depois ainda tivemos tempo para nos aventurarmos nos vários quiosques com produtos baratinhos. Acabei comprando uma mochila da North Fake por um preço justo :-)

IMG_20141118_210942294

Siem Reap (que significa, “vitória sobre o Siam” – antigo nome da Tailândia) é uma cidade adorável: de dia o mergulho na história fantástica do Império Khmer e à noite o alto astral e agitação da Pub Street.

A cidade e a região merecem bem mais do que os parcos dois dias que dedicamos a explorá-la. Foi o principal arrependimento da viagem. Não cometam o mesmo erro!

Sudeste Asiático 2014 – Cingapura dia 16

11 março 2015

DSC02851

No dia seguinte,aproveitamos o sol para tirar fotos diferentes da piscina do Marina Bay e descemos para começar nossa caminhada até Little India.

DSC02813

Saindo pela Bayfront Avenue, chegamos ao bonito desenho do ArtScience Museum, um lindo lugar para fotos panorâmicas da cidade.

DSC02818

De lá também temos a melhor visão do Marina Bay Sands.

DSC02817DSC02812

 

Grande parte do skyline da cidade pode ser admirado deste local.

DSC02821

Seguimos pela Beach Road até Esplanade e depois de um rápido café no Mc Donalds, continuamos andando até chegar ao lendário hotel Raffles.

DSC02826DSC02822Sede dos militares britânicos durante a segunda guerra mundial, aqui foi inventado o famoso drink Singapore Sling, feito com gin, grenadine e cherry brandy.

DSC02824

Claro que o bar não estava aberto a esta hora da manhã, portanto não pudemos prová-lo.

DSC02832DSC02834

Continuamos pela North Bridge Road, seguindo na direção norte, passando por belos edifícios e paramos em Little Arab, onde encontramos a modesta Mesquita do Sultão e umas poucas lojas de souvenirs.

DSC02843

DSC02839

Esta Mesquita foi construida em 1824, com dinheiro doado pelo fundador da cidade, Sir Stamford Raffles (sim, o mesmo do hotel), para o Sultão Hussain Shah.

A forma atual, contudo, vem de uma restauração feita em 1932.

Desde então vem sendo o ponto de encontro da comunidade muçulmana neste bairro de Kampong Glam.

DSC02842

Viramos à oeste, na direção de Little India. É fácil saber quando estamos lá, pela quantidade de casas coloridas e pelo aroma inconfundível.

DSC02855

DSC02856

Nem só de casas coloridas vive o bairro – também há prédios inteiros com cores vivas!

DSC02849

DSC02850

Passamos pela linda Mesquita Abdul Gafoor, na foto à esquerda e na que abre este post. O que mais chama a atenção nesta construção datada de 1907 e reformada em 2003, são os seus elaborados minaretes.

Logo encontramos o Templo Sri Veeramalakian, um dos mais antigos da cidade, construído pelos primeiros trabalhadores bengaleses a migrarem para Cingapura em 1881. Logo se tornou o foco das atividades culturais e religiosas de Little India.

Naquele instante estava acontecendo uma cerimônia de lavagem das estátuas, com muitos cânticos e rituais de adoração.

DSC02858

Este templo é dedicado à deusa Kali e à Parvati, esposa de Shiva. Abaixo vejam o detalhe da torre principal (chamada Rajagopuram), uma das mais bonitas que já vi.

DSC02862

Ainda visitamos outro templo, este menor e mais modesto: o Sri Srinivasa Perimal, na mesma Serangoon Road. Depois tomamos o metrô até Chinatown, emergindo justamente onde fica o epicentro das lojas baratas de lembrancinhas.

DSC02863DSC02868

Compramos alguns presentes e visitamos rapidamente o Templo Sri Mariamman (foto abaixo), que agora cobra para a entrada de câmeras.

Sorte que o exterior é bem mais interessante…

DSC02869

…e meu favorito, o Templo Buddha Relic Tooth, também na New Bridge Road. Desta vez, infelizmente, não havia cerimônia quando entramos.

DSC02877

Este templo impressiona pela sua tranquilidade e decoração em tons de vermelho e dourado. Na minha primeira visita a Cingapura, esta visita foi a que mais me impactou, principalmente pela oportunidade que tive de assistir uma cerimônia budista.

DSC02882DSC02885

Também impressiona o seu acervo, com um andar devotado a explicar o nascimento do budismo, jardins no terraço e inúmeras estátuas douradas de Buda.

DSC02886

Andamos mais um pouco e em cada canto achávamos um ponto para fotos nesta cidade imaculadamente limpa.

DSC02896

Demos uma rápida passada no pequeno Templo Thian Hock Keng, que é um dos mais antigos e importantes da cidade, tendo sido fundado em 1842.

DSC02899DSC02902

Depois de muito andar, voltamos de MTR até o hotel para aproveitar o resto da tarde na piscina, neste nosso último dia na cidade.

Cingapura continua um destino fantástico, perfeito para uma pausa entre viagens, digamos, mais exóticas. Se você aproveitar para incluir uma estada no Marina Bay, então, fica perfeito!

Sudeste Asiático 2014 – Cingapura dia 15, Marina Bay Sands

7 março 2015

DSC02777

No dia seguinte acordamos bem cedo para pegar nosso voo até Cingapura.

Lembrando que, assim como nas Filipinas, há uma taxa a ser paga no Aeroporto, portanto guarde 100.000 idr. Ou pague a taxa em dólares (US$ 11), sabendo que, com o câmbio desfavorável no Aeroporto, o valor ficará mais alto.

IMG_20141116_071311608

Voamos outra vez de Air Asia, que foi pontual e eficiente. Mal sabíamos que dias depois haveria aquela tragédia em outro voo saindo da Indonésia para Cingapura!

IMG_20141116_071426178

Desta vez, reservamos apenas um sanduíche, já que voamos no início da manhã. Nada a declarar sobre ele!

IMG_20141116_080146941

Chegamos em Cingapura pouco depois das 11h e tomamos o MRT para Bayfront, estação que fica em frente ao Marina Bay Sands. A viagem foi planejada para que tivéssemos estes dias de descanso no hotel, usufruindo o máximo possível do complexo de lazer e da vista incomparável. Considero que foi um autopresente de Natal adiantado!

DSC02809

Acima veja o detalhe de uma das três torres…

DSC02815

…uma visão mais completa…

DSC02820

…e finalmente o hotel em sua plenitude, com o lindo Museu de Ciências à direita da foto.

Ficamos hospedados no 7º andar, uma decepção se contarmos que o hotel tem 55 andares. Pelo menos a vista do quarto era linda: podíamos ter uma visão completa do Gardens by the Bay.

DSC02758

DSC02759

A primeira coisa a fazer foi colocar o calção de banho e ir para a famosa e estonteante piscina no ultimo andar, mesmo que o tempo não ajudasse muito.

DSC02742

DSC02743

A área da piscina estava cheia de pessoas que aproveitavam para tirar o maior numero possível de fotos. Não as recrimino: a vista de lá é uma das coisas mais espetaculares que já havia visto, um verdadeiro ímã do qual fica muito difícil se desvencilhar.

Vejam se não estou falando a verdade!

DSC02750

DSC02756

DSC02762

DSC02768

DSC02771

DSC02773

Descemos para comer no Marina Shoppes, um dos mais luxuosos malls da cidade, mas que possui um food court com diversas ofertas de comidas do sudeste asiático.

DSC02740 DSC02739

Experimentei no restaurante Rasapura um okonomiyaki vegetariano que estava meio sem sal…

DSC02738

De volta ao hotel, não pude resistir à vista do terraço, mostrando toda a cidade, magnífica, especialmente à noite.

DSC02785

Abaixo vemos a Singapore Flyer, inaugurada em fevereiro de 2008, portanto bem depois da London Eye. No entanto, o exemplar de Cingapura ganha em altura (165 m contra 135 m).

DSC02790

Para quem pensa que este luxo está bem distante dos seus sonhos, saiba que não é bem assim. A diária mais barata, que dá acesso à piscina, sauna e sala de ginástica, mas sem café da manhã, sai por US$295, se for feita com antecedência – mais barata do que uma diária em um resort brasileiro nos feriados nacionais.

E ele nem de longe é o hotel mais caro de Cingapura! Não consigo pensar, contudo, em melhor custo benefício na cidade…

Sudeste Asiático 2014 – Indonésia – Jogjakarta dia 14

2 março 2015

IMG_20141115_202926559

No dia seguinte fomos andando visitar o Palácio do Sultão, na área conhecida como Kraton.

Passamos pela principal artéria da cidade, chamada Malioboro, com suas lojas diversas e vários quiosques vendendo toda sorte de badulaques. Prato cheio para quem adora uma pechincha!

IMG_20141115_101016235

No meio da avenida encontrei esta singela homenagem ao Scrat, do filme A Era do Gelo. Entenderam a conexão? Nem eu…

IMG_20141115_103042534_HDR

DSC02698 DSC02700

Breve parênteses para explicar a historia de Jogjakarta: esta região formava o poderoso Reino de Mataram, que foi dividido em dois em 1755, criando-se os Sultanatos de Jogjakarta e de Surakarta. Este último não possui atualmente a denominação de Sultanato e, hoje, a cidade é conhecida como Solo. Neste período iniciou-se a construção do Kraton pelo Príncipe Mangkubumi.

A participação de Jogjakarta foi fundamental durante o período da luta pela Independência, entre 1945 e 1949, inclusive tendo se tornado capital do país por 2 anos, depois da conquista de Jakarta pelos holandeses. Por conta deste apoio, a cidade recebeu o título de Região Administrativa Especial, tornando-se a única do país a ser governada por um monarca.

Fecha parênteses…

DSC02701

O Palácio foi finalizado em 1790 no modelo arquitetônico tradicional da ilha de Java. Cada edifício traduz a visão que os javaneses tem sobre o mundo. A frente do complexo fica voltado para o Monte Merapi, um dos vulcões mais ativos da Indonésia. A parte de trás está voltada para o Oceano Índico.

DSC02703

Não há um palácio propriamente dito e sim uma série de pequenas construções abrigando vestimentas, mobiliário e inúmeros objetos relacionados com a história da cidade.

DSC02706

Este Palácio ainda é utilizado hoje como residência do Sultão Hamengku Buwono X , além de ser o local para as cerimônias e eventos culturais da Corte.

DSC02710DSC02712Fica aberto todos os dias das 8h às 14h. A entrada custa 12.500 IDR mais 1.000 IDR para a câmera.

DSC02713

O rapaz aí embaixo sofreu um assédio considerável pelos locais. A quantidade de fotos tiradas com ele nos fez pensar que se tratava de alguma celebridade. Aliás isso parece ser muito comum por aqui, nós mesmos fomos parados diversas vezes em Borobudur para que tirassem fotos conosco.

DSC02702

Depois andamos até o Water Palace, erguido para servir de residência de verão para o sultão, um palácio também muito simples e até um pouco mal cuidado.

DSC02718

Antigamente o Sultão escolhia as suas concubinas observando as mulheres que se banhavam nas piscinas do Palácio.

DSC02722DSC02723

Dizem que o Sultão é benquisto justamente por não ostentar, o que faz bastante sentido, observando as suas residências, todas sem muito luxo.

DSC02728DSC02730

 

Visitas podem ser feitas todos os dias, das 8h às 14hs, com entrada a  7.000 IDR, mais 1.000 IDR para a câmera.

Por este motivo, sugiro que você faça o passeio conjugado (Kraton + Water Palace) logo pela manhã.

DSC02716

Saímos um pouco da área do Water Palace para pesquisar as ruelas locais e ter um pouco de noção da rotina dos habitantes – a maioria dos que vivem nas redondezas, se ocupam da pintura e do batik, produto nacional de exportação da Indonésia.

DSC02734DSC02736

Estava um calor grande e a chuva se aproximava, portanto era hora de voltar para o hotel e aproveitar um pouco a piscina antes do toró de fim de tarde.

IMG_20141113_164215875

Para a última noite, reservamos no hotel nossos ingressos para o espetáculo do balé típico de Jogja, o Ramayana.

IMG_20141115_193255239

Antes, acabamos fazendo uma boquinha no próprio hotel, no clube do 6o. andar – sanduíches, frango empanado com molho tártaro e uma especialidade indonésia chamada bakwan jagung, um tipo de fritada de milho.

Pela módica quantia de 65.000 IDR vale a pena para um lanche no final da tarde, ou mesmo como um jantar leve.

IMG_20141115_190748652

Esse balé é habitualmente encenado em 2 lugares: em um teatro na cidade e em Prambanan. Se você tiver a chance, não perca a oportunidade de ver em Prambanan. Como estávamos na época de chuvas, o evento é transferido para um teatro e perde-se um pouco a magia de ver a história contada dentro do templo.

IMG_20141115_193017913

O táxi ate o teatro deu pouco mais de 10.000 IDR, mas o motorista tinha um cartaz afixado que dizia que o valor mínimo a ser cobrado era 20.000 IDR. Acho até que o cartaz era verdadeiro, mas achamos estranho que nenhum outro táxi tenha utilizado esta regra até aquele momento. Na dúvida, não pagamos…

A história do balé versa sobre o amor de Rama e Sinta e é cheia de personagens com superpoderes, homens macaco, vilões implacáveis e uma boa dose de realismo fantástico. Dura cerca de 1h30 e, contrariando a minha expectativa e o assento sem encosto, não cansa nem um pouco. Vale a pena assistir!

Pagamos 250.000 IDR pelo ingresso ao espetáculo, mas havia um pacote a 350.000 IDR incluindo o jantar, antes do evento. Como chegamos mais cedo, pudemos dar uma olhada no buffet e parece valer a pena. Há várias opções de comidas típicas e algumas variedades ocidentais, e o preço inclui as sobremesas.

E assim terminou nossa passagem pela Indonésia.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 74 outros seguidores