Skip to content

Londres a pé – Roteiro 6: Portobello, Kensington Gardens e Museus, Harrod’s

19 fevereiro 2018



Início: Metrô Ladbroke Grove (Metropolitan and City Line – rosa, District Line – amarela)

Final: Metrô Knightsbridge (Piccadilly Line – azul)



Nosso roteiro se inicia na famosa feira de antiguidades de Portobello Road, cujo dia mais movimentado acontece aos sábados.

Na verdade a feira de Portobello não tem só antiguidades. Começando pela estação de Ladbroke Grove você verá primeiramente várias barracas de roupas, depois sentirá os aromas dos diversos stands de comidas e só então virão os inúmeros vendedores de antiguidades e itens de colecionador.

thecitylane.com

A parte das antiguidades é a mais variada e pode-se encontrar desde faqueiros de prata antigos até aquele poster vintage da década de 50 que você tanto queria.

Aqui também ficam as bonitas casas coloridas do bairro, que você poderá ver em algumas de suas ruas transversais.

Você estará no coração de Notting Hill, o bairro que já foi retratado no filme de mesmo nome com Hugh Grant.

Não garanto que você o encontre por lá, mas eu já esbarrei com o Brian May, guitarrista do Queen, que mora pelas cercanias. Quem sabe você não tem a mesma sorte?


INFO – PORTOBELLO ROAD MARKET

Horário: Sexta e sábado, das 8h às 17h. Nos outros dias funcionam apenas as lojas e algumas bancas de alimentos.

Site: shopportobello.co.uk


Dobrando à esquerda em Queensway, você chegará a Kensington Gardens que fica colado e se confunde com o enorme Hyde Park.

Uma das primeiras coisas que você verá ao entrar no parque é o memorial aberto em 2000 em homenagem à princesa Diana, que nada mais é do que um playground para crianças e cuja principal atração é um navio pirata de madeira.

royalparks.org.uk

Para aqueles que quiserem experimentar, a entrada é gratuita e exatamente por  isso é bem concorrida, com mais de um milhão de visitantes por ano.

Kensington Gardens é mais um dos parques reais da cidade e sede do Kensington Palace que fica bem em frente ao Round Pond mostrado abaixo.


INFO – KENSINGTON GARDENS

Horário: Todos os dias, das 6h até o anoitecer (varia durante o ano).

Preço: gratuito

Site: http://www.royalparks.org.uk/parks/kensington-gardens


Continue caminhando na direção sul e chegará até uma das Serpentine Gallery (a sua irmã fica no Hyde Park, se chama Serpentine Sackler Gallery e fica a cinco minutos de caminhada, atravessando a Serpentine Bridge).

visitlondon.com

As duas tem programa extenso de palestras e mostras com ênfase na arquitetura e nas artes contemporâneas. Atualmente está fechado até março de 2018 para reformas, mas vale a pena consultar o site após este prazo para ver a programação.


INFO – SERPENTINE GALLERY

Horário: veja no site abaixo

Preço: Gratuito

Site: http://www.serpentinegalleries.org


Continue andando para o sul por suas trilhas arborizadas…

até encontrar o Albert Memorial, que foi erguido em 1872, na época da Rainha Victoria, em homenagem a seu amado marido, que faleceu de febre tifóide em 1861.

Com 54 metros de altura, o monumento é um pavilhão ricamente decorado com uma estátua do príncipe em seu interior, que demorou 10 anos para ser construído e custou o equivalente a 10 milhões de libras nos dias de hoje.

Logo em frente, já fora do parque, fica um dos prédios mais bonitos da cidade, homenageando o mesmo príncipe: o Royal Abert Hall.

Inaugurado em 1871 e com capacidade para 5.300 espectadores sentados, foi (e ainda é) palco das mais diversas expressões artísticas, desde a música clássica, balé, até shows de rock.

Todo ano, no verão, ele é sede do incrível BBC Proms, um festival de música clássica organizado pela rede de comunicação, que dura oito semanas e tem ingressos bastante concorridos.

Se você planeja estar por aqui nesta época do ano, sugiro se programar e adquirir ingressos com (bastante) antecedência.

Se não conseguir ingresso, ainda pode fazer um passeio guiado pelo seu interior. Tenho certeza de que valerá a pena.


INFO – ROYAL ALBERT HALL GRAND TOUR

Horário: Está disponível na maioria dos dias das 10h às 16h. Veja no site

Preço: £14 ( £13 se comprado online).

Site:  http://www.royalalberthall.com


Colado ao Royal Albert Hall ficam três dos melhores museus de Londres e que merecem a sua visita.

O primeiro na ordem é o Science Museum, aberto em 1857 e um dos locais mais populares da cidade, com mais de 3 milhões de visitantes por ano.

Espere encontrar grupos escolares e muitas famílias com crianças, por conta dos inúmeros experimentos interativos e seções com simulados de terremoto, além das pesquisas espaciais, trens, rochas e tudo relacionado à ciência.


INFO – SCIENCE MUSEUM

Horário:  Todos os dias, das 10h às 18h.

Preço: Gratuito. Algumas exposições especiais cobram ingresso.

Site:  http://www.sciencemuseum.org.uk


O segundo na fila é o não menos interessante Museu de História Natural (Natural History Museum). O prédio em si já é motivo suficiente para uma visita, não acham?

O interior consegue ser ainda mais fantástico com um clima arquitetônico meio Harry Potter e um lindo e completo esqueleto de um dinossauro bem no hall principal.

Aliás, eu ficaria um bom tempo admirando a arquitetura desse hall, mas há tanta coisa pra ver…

O museu está dividido em cinco grandes áreas: botânica, entomologia, paleontologia, mineralogia e zoologia, incluindo as espécies capturadas por Charles Darwin e que foram de grande valia no desenvolvimento da sua Teoria da Evolução.

Aproveite!


INFO – NATURAL HISTORY MUSEUM

Horário:  Todos os dias, das 10h às 17h50 (última entrada às 17h30). Fechado de 24 a 26/12

Preço: Gratuito. Algumas exposições especiais cobram ingresso.

Site:  http://www.nhm.ac.uk


Como se não bastasse, logo do outro lado da Exhibition Road fica mais um museu gratuito te chamando como um ímã: o Victoria and Albert.

uk.hotels.com

Mais conhecido como o V&A, foi fundado em 1852 e é o maior museu do mundo dedicado às artes decorativas e design, com uma coleção permanente de mais de 4,5 milhões de objetos, vindo desde à antiguidade até os dias de hoje e contemplando itens de todos os continentes.


INFO – VICTORIA AND ALBERT MUSEUM

Horário: Todos os dias, das 10h às 17h45 (sextas até às 22h). Fechado de 24 a 26/12

Preço: Gratuito. Algumas exposições especiais cobram ingresso.

Site: http://www.vam.ac.uk


Siga pela Brompton Road à esquerda para a parada final desse roteiro, a super loja de departamentos Harrod’s, que ocupa um enorme quarteirão.

ibtimes.co.uk

Estabelecida em 1834, a loja continuou em mãos familiares até ser adquirida pela família Al-Fayed em 1985. Atualmente é propriedade da Qatar Holding desde o ano de 2010. Não se espante se a maioria da clientela for de árabes, que desfilam pelo bairro principalmente aos domingos.

Assim como a Selfridge’s, os preços aqui não são aquela maravilha, mas a visita é obrigatória, nem que seja para se maravilhar com a quantidade de itens à venda e para rir da decoração cafona de suas escadas rolantes.


INFO – HARROD’S

Horário: Todos os dias, das 10h às 21h. Domingos das 11h30 às 18h.

Site: http://www.harrods.com


E ainda tem mais roteiros chegando…

Anúncios

Londres a pé – Roteiro 5: Camden Market e Lock, Zoo, Madame Tussauds, Oxford Street e British Museum

14 fevereiro 2018



Início:  Metrô Camden Town (Northern Line – preta)

Final:   Metrô Russell Square (Piccadilly Line- azul escuro)



O bairro de Camden, que fica ao norte de Londres sempre foi conhecido por seus mercados de rua que vendem de tudo, desde incensos a roupas e apetrechos punk e que há anos atraem multidões, principalmente nos fins de semana.

O principal e mais variado é o Camden Lock Market, que se estabeleceu aqui na década de 1970 e hoje tem a companhia de mais quatro competidores, todos buscando uma fatia do mercado de produtos para jovens e adultos “alternativos”.

Além de roupas, pode-se encontrar por aqui discos, bijuterias, livros, antiguidades e outros itens, além de diversos quiosques com comida de vários lugares do planeta, o que garante boas compras e o lanchinho garantidos. Se você for do tipo “tarado por comprinhas” pode passar o dia inteiro na região.

Na beira do Camden Lock há um serviço de barcos que percorrem o Regent’s Canal e que partem a cada hora no verão e em 15 minutos podem te deixar na nossa próxima atração: o Zoológico de Londres.

motherhoodlater.com


INFO – CAMDEN LOCK e PASSEIO DE BARCO

Horário: Mercados: todos os dias das 10h às 18h.

Barco: variável. veja no site abaixo

Preço: Mercados: Gratuito.

             Barco:  £4,40 até o Zoo; £25 incluindo o ingresso ao Zoo. O passeio até Little Venice custa £ 9 o trecho; £14,40 ida e volta.

Site: Mercados: http://www.camdenmarket.com/visit-us

          Barco:  http://www.londonwaterbus.com


Um dos mais importantes zoológicos do mundo, o London Zoo foi estabelecido em 1828 como um local de estudos científicos, mas só foi aberto ao público em 1847.

allhere.co.uk

O Zoológico fica na parte norte do enorme Regent’s Park e abriga quase 700 espécies de animais, incluindo um aquário. É diversão garantida para crianças e adultos!


INFO –  LONDON ZOO

Horário: Todos os dias, a partir das 10h. O horário de fechamento depende da época do ano – veja no site abaixo.

Preço: £25 (£20.45 se comprado online)

Site: http://www.zsl.org/zsl-london-zoo


royalparks.org.uk

Atravesse o Regent’s Park na direção sul até chegar no famoso, concorrido e super estimado Madame Tussauds.

noticias.uol.com.br

Com figuras de cera representando artistas, políticos e esportistas famosos no mundo inteiro (e, obviamente, a Rainha!), é também uma das atrações mais caras da cidade – o ingresso simples custa £29!

Normalmente as filas são quilométricas. Compre o ingresso com antecedência. Não diga que não avisei…


INFO – MADAME TUSSAUDS

Horário: De segunda a sábado, das 8h30 ás 16h30. Fechado aos domingos.

Preço: £29; pode ser combinado com 2 ou mais atrações da cidade (London Big Ticket), como a London Eye e o Sea Life Aquarium, a partir de £40.

Site: http://www.madametussauds.com/london/en


Desça pela Chiltern Road na direção sul e você encontrará uma linda mansão na Manchester Square, sede da famosa Wallace Collection.

traveltoeat.com

A coleção engloba quadros e arte decorativa dos séculos 15 a 19, com ênfase em obras francesas do século 18. O acervo foi criado em 1897 com a coleção privada do Marquês de Hertford que a deixou como herança a seu filho ilegítimo Richard Wallace, com a condição de que nenhuma obra deixasse as dependências da mansão.


INFO – WALLACE COLLECTION

Horário: Todos os dias, das 10h às 17h. Fechado de 24 a 26 de dezembro

Preço: Gratuito

Site: http://www.wallacecollection.org


Você estará a poucas quadras da Oxford Street e de suas imensas lojas de departamento, itens indispensáveis no roteiro de qualquer shopaholic.

Rume então para a Selfridge’s, a segunda maior loja do país (só perde para a Harrod’s), aberta em 1909 e que fica no número 400. Começou como empresa familiar, foi vendida para a John Lewis e Sears até ser comprada por um milionário canadense em 2003.

Seu acervo de produtos é extraordinário, de perfumes a eletrônicos, de maquiagem a comidas (aliás, a seção de comidas das grandes lojas britânicas é semprefantástica!). Os preços não são baratos, mas olhar não tira pedaço, né?

No último andar fica a Selfridge’s Kitchen, onde você pode se servir de comida de várias partes do mundo, um belo lugar para aquele almoço frugal ou para o lanchinho da tarde.

Caminhe na direção de Oxford Circus (mostrado abaixo) para percorrer a parte final (e menos sofisticada) de Oxford Street.

Para os que já conhecem, há duas lojas da super barata rede Primark nesta rua – no número 499, perto de Marble Arch e no número 14, ao lado da estação de metrô de Tottenham Court Road.


INFO – LOJAS EM OXFORD STREET

Horário: Segunda à sábado, das 10h às 21h (horário pode variar, consulte o site da loja). Domingos de 12h às 18h.


Depois das compras, que tal uma passada no museu mais importante da Grã Bretanha?

O Museu Britânico (British Museum) fica ali pertinho e vale uma visita nem que seja para passar os olhos nos seus mais de 8 milhões de itens, originários de todos os continentes!

Fundado em 1753, é um museu dedicado à história da humanidade, à arte e à cultura. A expansão de sua coleção coincidiu com as investidas britânicas de colonização em outros continentes. Especialmente notável é sua coleção de objetos egípcios, incluindo as múmias.

Outro item bastante visitado é a Pedra de Rosetta, que está nesse museu desde 1802. Esta pedra contem  um decreto do Rei Ptolomeu V em 3 tipos distintos de inscrições: hieróglifos, demótico (língua antiga dos egípcios) e grego antigo e possibilitou a conversão dos hieróglifos em algo conhecido, já que as 3 inscrições falavam sobre a mesma coisa.

blog.britishmuseum.org


INFO – MUSEU BRITÂNICO

Horário: Todos os dias, das 10h ás 17h30 (sextas até 20h30).

Preço: Gratuito. Algumas exposições especiais cobram ingresso.

Site: http://www.britishmuseum.org


Esse roteiro é um pouco mais extenso, dependendo de quanto tempo você dedicará a cada atração. Sugiro fazer em uma sexta feira, se possível, já que o Museu Britânico fica aberto até mais tarde nesse dia.

Londres a pé – Roteiro 4: Trafalgar, National Gallery, Piccadilly, Regent Street, Soho

8 fevereiro 2018




Início: Metrô Charing Cross (Northern Line- preta e Bakerloo Line – marrom)

Final: Metrô Tottenham Court Road (Northern Line – preta e Central Line – vermelha)



Ao final da avenida estará Trafalgar Square, cujo nome homenageia a famosa batalha naval ocorrida próximo ao Cabo Trafalgar na Espanha em 1805, na qual a esquadra britânica saiu-se vencedora no confronto com as tropas de Napoleão.

Um de seus heróis foi o Almirante Lord Nelson, que morreu justamente nessa batalha e cuja coluna de 52 metros de altura construida em 1843 é um dos destaques da praça, ladeada por quatro estátuas de leões feitas em bronze e instaladas em 1868.

Outras estátuas no local incluem a do Rei George IV, abaixo. Esse Rei foi o responsável por mudar as Cocheiras Reais para o Palácio de Buckingham, permitindo assim que essa área fosse remodelada e se tornasse o que é atualmente.

 

Um dos seus pedestais, onde deveria originalmente haver uma estátua equestre do Rei William IV, abriga hoje exemplos de arte contemporânea desde 1999, como este galo azul mostrado abaixo.

Além da praça ser comumente utilizada para protestos importantes, também é aqui que as celebrações do Ano Novo ocorrem.

Em seu entorno, ficam duas outras atrações da cidade: a igreja de St. Martin-in-the-Fields (mostrada na foto à direita) e a National Gallery.

St. Martin-in-the-Fields é uma bonita igreja anglicana construida em estilo neoclássico em 1726, cuja principal atração são os concertos de música clássica em seu interior, tanto na hora do almoço como nos fins de tarde.

A Academia de St Martin-in-the-Fields é um grupo clássico conhecido mundialmente e foi fundado por Sir Neville Marriner. Dizem que a acústica do local é privilegiada.


INFO – ST MARTIN-IN-THE-FIELDS

Horário: Todos os dias, das 8h30 às 18h (fins de semana abre às 9h).

Preço: a visita à igreja é grátis; os concertos de música clássica são pagos e os ingressos começam em £8. Veja no site a programação

Site: http://www.stmartin-in-the-fields.org/whats-on


A National Gallery é um dos museus britânicos mais importantes, fundada em 1824 e mais um com entrada gratuita por pertencer ao povo do Reino Unido.

Diferentemente de outros museus europeus, sua coleção é formada principalmente por doações de terceiros. Apesar de não ser muito numerosa, ela impressiona pela importância e escopo de suas obras. São mais de 2300 pinturas, indo desde a pintura do século 13 até o final do século 19, ou seja, abrangendo os principais movimentos da arte ocidental.

visitlondon.com

Por conta do tamanho do prédio e da coleção foi criada a Tate Gallery para abrigar a maioria das obras de artistas britânicos.


INFO – NATIONAL GALLERY

Horário: Todos os dias, das 10h às 18h (sextas até às 21h). Fechado em 1 de janeiro e de 24 a 26 de dezembro.

Preço: Grátis (algumas exposições especiais cobram ingresso pago à parte)

Site: http://www.nationalgallery.org.uk/visiting


 

Caminhe pela Charing Cross Road  e dobre à direita para chegar à Leicester Square (pronuncia-se ‘lés-tar’) o centro nevrálgico do West End londrino. A praça é rodeada de lojas de souvenirs, cinemas e restaurantes.

Na sua parte sul fica o quiosque da TKTS, oferecendo ingressos com desconto para o mesmo dia em peças e musicais nos teatros espalhados pela cidade, que em sua maioria ficam nos arredores da Shaftesbury Avenue.

Entre a praça e a avenida fica a Chinatown londrina, que só foi estabelecida nesse local na década de 1970. Colorida como todas as outras, tem supermercados e inúmeros restaurantes de qualidade variável. Pesquise bem antes de entrar no primeiro que vir.

Saindo do labirinto de ruelas de Chinatown você encontrará um local ainda mais cheio de turistas: Piccadilly Circus. Por estar no meio da “muvuca”, cercado de teatros e lojas, virou ponto de encontro.

 

Criada em 1819 para conectar a Regent Street com Piccadilly, não passa de um entroncamento circular com painéis imensos em neon à moda de Times Square em Nova York. Antigamente vários prédios ostentavam anúncios em neon, mas atualmente apenas um ainda os mantém.

Uma de suas saídas é justamente a Regent Street, uma das mais famosas (e caras) ruas de compras da cidade.

telegraph.co.uk

Uma das lojas mais bacanas e que deve ser visitada como ponto turístico mesmo é a imensa Hamleys, que fica no número 188-196 e apresenta sete andares de brinquedos e jogos de todos os tipos e que divertem a família inteira, com direito a testar vários deles. Isso sem falar na decoração incrível de suas vitrines e do hall principal.

telegraph.co.uk

Outras lojas de destaque são a Apple Store (número 235) , a Tommy Hilfiger (número 138) e a GAP (na 208).

Dobre à esquerda em Oxford Circus e você estará em uma das mais importantes ruas de comércio da cidade: Oxford Street.

Essa metade oriental da rua já viu melhores dias mas ainda assim possui lojas bem interessantes como a japonesa Uniqlo e a sueca H&M.

Em suas ruas perpendiculares se encontram vários restaurantes interessantes, principalmente na Wardour Street, já chegando na área GLS de Soho.

Posso indicar 3 locais BBB (bom, bonito e barato): a rede de bistrôs franceses Côte Brasserie (no 124- 126) que possui vários outros endereços na cidade

sobremesa do Côte, uma das melhores que já provei

… o tailandês Busaba Eathai (no 106-110) que possui mesas comunitárias e é ótimo para conhecer gente nova…

Pad thai do Busaba, delicioso!

e o italiano Vapiano (no 84), cujas massas são feitas na hora na sua frente.

Essa área, além de restaurantes possui vários pubs, teatros e casas noturnas, ou seja, é diversão certa (mais voltada para o público GLS, mas não restrita a eles). Tem também uma pracinha charmosa e arborizada.

Nossa última parada é na famosa livraria Foyles, que fica no número 107 da Charing Cross Road.

coolplaces.co.uk

Essa loja já ocupou outro prédio na mesma rua desde 1910 e conseguiu a façanha de entrar para o Guiness Book como uma das maiores do mundo em quilometragem de prateleiras: 48 km!

Nosso roteiro termina na estação de Tottenham Court Road.

Londres a pé – Roteiro 3: Buckingham Palace, Trafalgar Square, National Gallery e Churchill War Rooms

3 fevereiro 2018



Início: Metrô St. James’s Park (Circle Line- amarela e District Line – verde)

Final: Metrô Westminster (Circle Line – amarela, District Line – verde e Jubilee Line – cinza)



Nosso roteiro começa na mesma estação de metrô do Roteiro 2 (veja aqui) e pode ser um complemento perfeito para o passeio anterior.

Saindo da estação de St. James’s Park você caminhará na direção do parque de mesmo nome e poderá ver como os londrinos aproveitam (bem) as suas áreas verdes.

Um dos oito parques reais (e o mais antigo) da cidade, tem cerca de 230 mil metros quadrados entre gramados, lagos e avenidas importantes como a The Mall, que acaba justamente no  Palácio de Buckingham, onde você verá lindos canteiros floridos como os mostrados acima.

Se o dia estiver ensolarado, será um lindo passeio, onde você poderá até ver pelicanos e passar o tempo enquanto aguarda pela próxima atração deste roteiro. Só não pense que as cadeiras na foto acima são gratuitas, tá?


INFO – ST. JAMES’S PARK

Horário: Todos os dias das 5h até meia noite.

Site: http://www.royalparks.org.uk/parks/st-jamess-park/visitor-information/opening-times-and-getting-here


Muitos turistas vem para esta região do Palácio de Buckingham para ver a troca da Guarda Real, um evento considerado maçante por alguns, mas ainda assim bonito de acompanhar, com toda a pompa e circunstância britânicas, além da música tocada por alguma banda militar convidada.

Se você quiser encarar a visita, meu conselho para você é: chegue cedo se quiser ter uma boa visão da cerimônia, que pode até ser cancelada devido ao mau tempo.


INFO – TROCA DA GUARDA REAL

Endereço: Palácio de Buckingham

Horário: Diariamente no verão; em dias alternados nos outros meses; normalmente ocorre às 10h45

Preço: Gratuito

Site: http://www.householddivision.org.uk/changing-the-guard


Além da troca de guarda, pode-se visitar o interior do Palácio,  que é a residência oficial da Família Real Britânica desde 1837. As visitas ocorrem no verão, por conta das férias Reais, mas podem ser agendadas para grupos em outras ocasiões.

 

Há uma visita completa que abrange quase todas as dependências do Palácio e outra mais compacta que mostra principalmente os Salões de Estado. Qualquer que seja sua escolha de ingresso, lembre-se de reservar com bastante antecedência.

mirror.co.uk


INFO – PALÁCIO DE BUCKINGHAM

Horário: Todo ano por 10 semanas no verão e em datas específicas em outros meses (para visitas de grupos). Veja os horários no site.

Preço: £24.00 para visita aos Salões de Estado (State Rooms) ou  £42.30 para a visita completa, que também inclui as Cocheiras Reais (Royal Mews) e a Galeria da Rainha (Queen’s Gallery). Compre o ingresso pelo site com bastante antecedência.

Site: http://www.royalcollection.org.uk/visit/the-state-rooms-buckingham-palace


Atravesse o The Mall, uma imponente avenida que corta o St. James’s Park e liga o Palácio de Buckingham a Trafalgar Square.

skysports.com

No meio do caminho está o Institute of Contemporary Arts, mais conhecido pela sigla ICA, que apresenta exposições de arte e shows de bandas independentes, além de mostras de filmes em seu pequeno cinema.

Consulte a programação pelo site.

artfund.org


INFO – INSTITUTE OF CONTEMPORARY ARTS

Horário: De terça a domingo, das 11h às 23h

Preço: Gratuito às terças com o Day Membership; nos outros dias o Day Membership custa apenas £1

Site: http://www.ica.art


Ao final da avenida estará Trafalgar Square, cujo nome homenageia a famosa batalha naval ocorrida próximo ao Cabo Trafalgar na Espanha em 1805, na qual a esquadra britânica saiu-se vencedora no confronto com as tropas de Napoleão.

Um de seus heróis foi o Almirante Lord Nelson, que morreu justamente nessa batalha e cuja coluna de 52 metros de altura construida em 1843 é um dos destaques da praça, ladeada por quatro estátuas de leões feitas em bronze e instaladas em 1868.

Outras estátuas no local incluem a do Rei George IV, abaixo. Esse Rei foi o responsável por mudar as Cocheiras Reais para o Palácio de Buckingham, permitindo assim que essa área fosse remodelada e se tornasse o que é atualmente.

 

Um dos seus pedestais, onde deveria originalmente haver uma estátua equestre do Rei William IV, abriga hoje exemplos de arte contemporânea desde 1999, como este galo azul mostrado abaixo.

Além da praça ser comumente utilizada para protestos importantes, também é aqui que as celebrações do Ano Novo ocorrem.

Em seu entorno, ficam duas outras atrações da cidade: a igreja de St. Martin-in-the-Fields (mostrada na foto acima à direita) e a National Gallery.

 

St Martin-in-the-Fields é uma bonita igreja anglicana construida em estilo neoclássico em 1726, cuja principal atração são os concertos de música clássica em seu interior, tanto na hora do almoço como nos fins de tarde.

A Academia de St Martin-in-the-Fields é um grupo clássico conhecido mundialmente e foi fundado por Sir Neville Marriner. Dizem que a acústica do local é privilegiada.


INFO – ST MARTIN-IN-THE-FIELDS

Horário: Todos os dias, das 8h30 às 18h (fins de semana abre às 9h).

Preço: a visita à igreja é grátis; os concertos de música clássica são pagos e os ingressos começam em £8. Veja no site a programação

Site: http://www.stmartin-in-the-fields.org/whats-on/


A National Gallery é um dos museus britânicos mais importantes, fundada em 1824 e mais um com entrada gratuita por pertencer ao povo do Reino Unido.

Diferentemente de outros museus europeus, sua coleção é formada principalmente por doações de terceiros. Apesar de não ser muito numerosa, ela impressiona pela importância e escopo de suas obras. São mais de 2300 pinturas, indo desde a pintura do século 13 até o final do século 19, ou seja, abrangendo os principais movimentos da arte ocidental.

visitlondon.com

Por conta do tamanho do prédio e da coleção foi criada a Tate Gallery para abrigar a maioria das obras de artistas britânicos.


INFO – NATIONAL GALLERY

Horário: Todos os dias, das 10h às 18h (sextas até às 21h). Fechado em 1 de janeiro e de 24 a 26 de dezembro.

Preço: Grátis (algumas exposições especiais cobram ingresso pago à parte)

Site: http://www.nationalgallery.org.uk/visiting


Saia de Trafalgar e siga margeando o lado sul do St. James’s Park até chegar na Churchill War Rooms (“Salas de Guerra de Churchill”).

Nesse local você poderá explorar um museu que conta a vida de um dos maiores estadistas britânicos de todos os tempos, além de poder visitar o complexo subterrâneo que foi o quartel general de onde Churchill dava as ordens durante a Segunda Guerra Mundial.

Uma verdadeira aula de história, com painéis interativos de onde se poderá ter uma visão completa da vida e obra de Winston Churchill!


INFO – CHURCHILL WAR ROOMS

Horário: Todos os dias, das 9h30 às 18h.

Preço: £21 (£18,90 se comprado online)

Site: http://www.iwm.org.uk/visits/churchill-war-rooms


Ao final da visita, dê uma passada no mais famoso endereço da cidade: Downing Street número 10, onde fica a casa do Primeiro Ministro britânico.

Muito provavelmente o local vai estar cheio de seguranças por razões óbvias, mas você pode tentar pelo menos tirar uma foto como essa abaixo.

visitlondon.org

Agora um segredinho: alguns primeiro ministros (como o anterior, David Cameron) moravam em um apartamento no andar de cima da casa 11, por ser mais amplo.


INFO – CASA DO PRIMEIRO MINISTRO

Endereço: 10, Downing Street

Não são permitidas visitas, mas você pode fazer uma visita virtual neste site: http://www.gov.uk/government/history/10-downing-street#take-the-tour


Esse roteiro também se casa perfeitamente com o próximo (Roteiro 4) e é perfeito se você tiver pouco tempo na cidade e quiser visitar as principais atrações.

Londres a pé – Roteiro 2: Westminster Abbey, Parlamento, Big Ben, London Eye, Covent Garden

28 janeiro 2018



Início: Metrô St. James’s Park (Circle Line- amarela e District Line – verde) ou Westminster (Circle Lineamarela  District Lineverde e Jubilee – cinza)

Final: Metrô Covent Garden (Central Line – vermelha)



Nosso passeio começa na estação de St. James’s Park (ou Westminster) de onde você poderá ver três das atrações mais conhecidas da cidade, uma ao lado da outra.

A primeira é a Abadia de Westminster (Westminster Abbey – não confundir com a Westminster Cathedral que fica em outro local) com seu inconfundível estilo gótico e cuja construção começou no ano de 1245.

Inicialmente foi uma igreja católica, se convertendo à anglicana no século 16. Desde sua construção vem sendo palco das coroações de inúmeros reis britânicos além de vários casamentos reais.

Os tours da Abadia são completos e visitam, entre outros, o Trono da Coroação e o Túmulo do Soldado Desconhecido.


INFO – WESTMINSTER ABBEY

Horário: Varia de acordo com o dia – normalmente abre de segunda à sábado. Veja no site abaixo.

Preço:  £22, com direito a um áudio guia (ou £20 se comprado online); nas quartas, das 16h30 às 19h (última entrada às 18h) sai por £10; não é cobrada entrada para aqueles que quiserem apenas frequentar a igreja.

Site: http://www.westminster-abbey.org/visit-us


Mais à frente, a Elizabeth Tower, onde fica o Big Ben,  se destaca na paisagem londrina.

Talvez o maior ícone da cidade, este relógio  fica em uma torre com 96 metros de altura e seu nome se refere ao maior sino desta torre que, por sua vez, é uma homenagem a Benjamin Hall que foi Ministro de Obras Públicas britânico em 1859.

Atualmente o relógio e a torre estão em obras até o ano de 2020 e ficaremos sem ouvir as famosas badaladas até aquela data.

Pode-se visitar a torre juntamente com uma das visitas oferecidas no Parlamento (veja abaixo).


Literalmente ao lado fica o Parlamento Inglês (Houses of Parliament), que fica em um palácio na beira do Tâmisa. Criado em 1265 com duas Casas: a dos Lordes e a dos Comuns, apenas a primeira tinha sede no Palácio de Westminster. Somente em 1547 as duas casas se unificaram neste lugar.

Destruído pelo fogo em 1834, coube ao arquiteto Charles Barry a reconstrução do palácio, o que foi feito no estilo neogótico e só terminou mais de 30 anos depois em 1870, já com o Big Ben em seu local atual.

Existem várias formas de visitar o Parlamento, dentre elas uma que inclui o chá da tarde. Outra possibilidade é se inscrever para assistir aos debates em alguma das Casas.

Veja  maiores detalhes no site.


INFO – HOUSES OF PARLIAMENT

Horário: Varia de acordo com o dia – normalmente abre de segunda à sábado. Veja no site abaixo.

Preço:  £20,50 a visita guiada (ou £18,50 se comprado com antecedência online);

Site: http://www.parliament.uk/visiting


Já que você está à beira do Tâmisa, que tal fazer um cruzeiro pelo rio, de onde poderá ter uma vista diferente das principais atrações?

Há várias opções, desde um passeio simples com um bilhete válido por 24 horas até um que inclui almoço, jantar com música ou o chá da tarde – esse último foi o que eu fiz e é altamente recomendável.

O chá da tarde é completo e vem com pequenos sanduíches…

…e uma bandeja repleta de doces e macarons. Uma delícia!

Os barcos partem do pier de Westmisnter (e de outros 3 piers – da Tower of London, da London Eye,  e de Greenwich) e a volta completa, indo até a ponte de Lambeth e voltando até Greenwich dura pouco mais de uma hora.

Os passeios temáticos devem ser reservados com antecedência.


INFO – THAMES CRUISES

Horário: De segunda a sábado, das 8h30 ás 16h30. Fechado aos domingos.

Preço: variáveis, começando por £10 para um ticket de 24 horas; o passeio que inclui o chá da tarde pode sair por £22,40 na baixa estação em dias promocionais.

Site: http://www.citycruises.com/london-thames-experiences


Atravessando a Ponte de Westminster você estará bem próximo da mais nova atração da cidade: a roda gigante London Eye.

Também conhecida como Millennium Wheel (Roda do Milênio) teve sua inauguração exatamente na passagem do milênio e ficou por 6 anos como a maior do gênero no mundo. Atualmente este posto cabe à High Roller na cidade de Las Vegas, que possui 167 metros de altura.

Se serve de consolo, garanto que a vista da London Eye é bem mais bonita.


INFO – LONDON EYE

Horário: Todos os dias – Novembro a Fevereiro das 9h às 16h30; Março a Outubro das 9h às 17h30. Domingos e segundas abre às 10h. Última entrada meia hora antes do fechamento.

Preço: £21.50 (online); £24.80 (no local); fast pass a £33,30; pague £36,90 e receba uma taça de champagne; por £40 você pode conjugar esta visita com outra atração, incluindo o museu de cera de Madame Tussaud ou o aquário Sea Life, que fica logo ao lado (£51 para três atrações e £55 para quatro atrações). Mais detalhes no site abaixo.

Site: http://www.londoneye.com


No andar térreo do County Hall, um pouco mais à frente, fica o aquário Sea Life, que também é bastante procurado por turistas (recebe cerca de um milhão de visitantes por ano!). Seu ingresso pode ser comprado com desconto juntamente com o da London Eye.

Inaugurado em 1997, mudou de mãos em 2008 para se tornar o maior aquário da Europa com mais de 500 espécies diferentes de vida marinha e com seções dedicadas a pinguins e tubarões, além do indefectível túnel onde peixes de vários tamanhos nadam sobre os visitantes.

Diversão garantida para adultos e crianças.


INFO – SEA LIFE AQUARIUM

Horário: Todos os dias das 10h às 18h. Fins de semana das 9h30 às 19h. Última entrada uma hora antes do fechamento.

Preço: £20.40 (online); por £40 você pode conjugar esta visita com outra atração, incluindo o museu de cera de Madame Tussaud ou a London Eye, que fica logo ao lado (£51 para três atrações e £55 para quatro atrações). Mais detalhes no site abaixo.

Site: http://www.visitsealife.com/london


Um pouco mais à frente, ainda na margem sul do Tâmisa, entre as pontes de Hungerford e Waterloo, fica um dos centros culturais mais importantes da cidade: o South Bank Centre.

cdn.thestage.co.uk

Esse enorme complexo abriga o Royal Festival Hall, o Queen Elizabeth HallPurcell Room e a Hayward Gallery além do Royal National Theatre e um cinema (London Imax), dentre outras atrações (neste inverno de 2018 há até uma sauna no terraço do Queen Elizabeth!).

Antes de sua visita, se informe no site abaixo sobre a programação local: com certeza você achará algo que irá te agradar, seja um concerto de música clássica ou uma exposição de arte.


INFO – SOUTH BANK CENTRE

Horário: Todos os dias – Novembro a Fevereiro das 9h às 16h30; Março a Outubro das 9h às 17h30. Domingos e segundas abre às 10h. Última entrada meia hora antes do fechamento.

Preço: Depende do evento escolhido. Alguns eventos são gratuitos.

Site: http://www.southbankcentre.co.uk


Atravesse pela ponte Waterloo para a margem norte, dobre à direita e você chegará à Somerset House, um prédio neoclássico na beira do rio.

Inicialmente construído como um palácio da era Tudor agora congrega também o campus do King’s College. No inverno, seu pátio central vira um disputado rinque de patinação no gelo.

Aqui também fica o Courtauld Institute of Art, cuja galeria possui obras de arte dos grandes mestres impressionistas como Monet e Cezanne, além de alguns Van Gogh.


INFO – SOMERSET HOUSE

Horário: Todos os dias, menos 25/12 – horários variados. Courtauld Gallery abre das 10h às 18h. Última entrada meia hora antes do fechamento.

Preço: Courtauld Gallery – £8.00

Site: http://www.somersethouse.org.uk


Seguindo pela Wellington Street, em poucos metros você chegará a Covent Garden, uma ótima região para compras e alimentação.

Na parte norte ficam as ruelas como Neal’s Yard, que possui várias lojas descoladas. Ao sul fica o antigo mercado de frutas propriamente dito (que data de 1654), onde, além de lojas e alguns restaurantes, você também encontrará artistas de rua fazendo suas exibições nos quatro cantos do prédio.

Por ser um local central, com vários stands de souvenirs e com várias atrações gratuitas, é comum estar apinhado de gente como a foto abaixo pode demonstrar, mas não deixe que isso impeça a sua visita. Vale muito a pena!

Ah, e se quiser, pode também visitar o London Transport Museum, que fica ao lado.


INFO – COVENT GARDEN

Horário: Todos os dias. O London Transport Museum abre das 10h às 18h

Preço: Gratuito. O London Transport Museum cobra £16 (online); £17.50 (no local)

Site: http://www.coventgarden.london

Museu: http://www.ltmuseum.co.uk/visit


Esse roteiro se casa perfeitamente com o próximo (Roteiro 3) e abrange as principais atrações da área de Westmisnter.

Londres a pé – Roteiro 1: Ponte e Torre de Londres, Borough Market, Tate Modern, Catedral de St. Paul

21 janeiro 2018



Início: Metrô  Tower Hill (Circle Line- amarela e District Line – verde)

Final: Metrô St. Paul’s  (Central Line – vermelha)



A primeira atração ao sair da estação do metrô é a Torre de Londres, que na verdade mais se assemelha a um castelo.

Construído no ano de 1066, após a conquista normanda da Inglaterra, foi utilizado como prisão até 1952 (a pequena abertura na parte inferior central da foto abaixo mostra a entrada do Traitor’s Gate, por onde entravam os prisioneiros que vinham de barco pelo Tâmisa), mas também foi o primeiro zoo da cidade.

towers of london

standard.co.uk

A visita guiada do local é recomendada. Você poderá ver as Jóias da Coroa Britânica, além de armaduras usadas por reis e outros objetos da época, os Royal Beasts (estátuas de animais que vivam no local) e conhecer a White Tower (a torre central).

Uma aula de história neste local que é Patrimônio da Humanidade.


INFO – TOWER OF LONDON

Horário: Todos os dias – Novembro a Fevereiro das 9h às 16h30; Março a Outubro das 9h às 17h30. Domingos e segundas abre às 10h. Última entrada meia hora antes do fechamento.

Preço: £21.50 (online); £24.80 (no local)

Site: http://www.hrp.org.uk/tower-of-london


Logo ao lado fica uma das mais conhecidas atrações da cidade: a Ponte da Torre (Tower Bridge), a mais bonita a cruzar o Tâmisa.

Construida entre 1886 e 1894, seu design consiste em duas torres conectadas por uma passarela superior onde fica o Museu da Ponte da Torre  (Tower Bridge Experience) que merece ser visitado (ingresso cobrado à parte – veja o relato da visita nesse post). A parte inferior pode ser atravessada por carros e pedestres gratuitamente. Veja outras fotos do local nesse post.


INFO – TOWER BRIDGE EXPERIENCE

Horário: Todos os dias – Outubro a Março das 9h30 às 17h; Abril a Setembro das 10h às 17h30.

Preço: £8.70 (online); £9.80 (no local)

Site: http://www.towerbridge.org.uk/opening-hours


Atravessando a Ponte da Torre você logo verá o prédio da foto abaixo, que se chama The Shard – o edifício mais alto da Europa, com 72 andares e 310 metros de altura, obra do arquiteto Renzo Piano inaugurada em julho de 2012.

Com um terraço panorâmico no último andar, oferece vistas incríveis da cidade à beira do Tâmisa. Se o tempo estiver tão nublado a ponto de você não conseguir ver pelo menos 3 dos marcos da cidade, incluindo a Ponte da Torre, a Catedral de St. Paul ou a London Eye, você pode voltar de graça outra vez em um dos 90 dias seguintes.

the shard

Além disso, há descontos em restaurantes do Borough Market e experiências de realidade virtual (ingressos à parte) que farão sua visita ainda mais interessante.

E por apenas £8 a mais você tem direito a uma taça de champagne, que tal?


INFO – THE SHARD

Horário: Todos os dias a partir das 10h; horário de fechamento variam conforme o dia – mais tarde nos fins de semana.

Preço: £18.95 (online – segunda à quinta); £20.95 (no local – sexta à domingo); £30.95 (no local)

Site: http://www.the-shard.com/viewing-gallery


Um pouco mais à frente fica o mercado de Borough (Borough Market), um dos mais completos e interessantes da cidade.

Aberto de quarta à sábado (segunda e terça funcionam em versão reduzida), apresenta várias barracas com produtos vegetais, frutas, queijos e carnes para todos os gostos, mas o que mais chama a atenção no local é o aroma sensacional das comidinhas oferecidas no local.

Oferecendo delícias dos vários países que fazem desta cidade uma da mais cosmopolitas do mundo, é impossível não fazer uma boquinha durante a visita.


INFO – BOROUGH MARKET

Horário: De segunda à sábado,  das 10h às 17h; sextas fecha às 18h; sábados abre às 8h. Segunda e terça em versão reduzida. Domingo fechado.

Preço: Grátis

Site: boroughmarket.org.uk


A Tate Modern é um dos principais museus da cidade, cuja ênfase é na arte moderna e contemporânea. Sua irmã mais antiga, a Tate Gallery, fundada em 1897 também às margens do Tâmisa próxima à ponte de Vauxhall  e acessível através de um lindo passeio de barco, abriga as obras a partir do século 16.

Fundada no ano 2000, ocupa o lugar de uma antiga fábrica que havia sido desativada em 1981. Com sucessivas mostras de arte contemporânea, o local já se tornou a terceira atração londrina mais visitada.

No seu acervo, há obras de artistas importantes como Picasso, Matisse, Paul Klee e Marc Chagall, dentre outros. Imperdível!


INFO – TATE MODERN

Horário: Todos os dias das 10h às 18h (sextas e sábados até às 22h).

Preço: Grátis. Algumas exposições especiais tem ingresso cobrado à parte.

Site: http://www.tate.org.uk/visit/tate-modern


Ao sair da Tate, aproveite para atravessar a Millenium Bridge, uma ponte para pedestres que foi construida no ano 2000. Você estará de frente para a Catedral de St. Paul.

Sede do Bispo de Londres, a catedral anglicana fica no ponto mais alto da City londrina e foi construída em estilo barroco pelo célebre arquiteto Sir Christopher Wren no final do século 17 onde havia uma igreja devotada ao apóstolo Paulo desde o ano de 604.

Uma das construções mais importantes da cidade, tem o seu domo com mais de 100m de altura, o que o tornou o mais alto edifício de Londres até 1967! Palco de vários acontecimentos importantes, um dos mais recentes deles sendo o casamento de Charles e Diana, também é o local de celebração dos aniversários da Rainha Elizabeth II.


INFO – ST. PAUL’S CATHEDRAL

Horário: De segunda a sábado, das 8h30 ás 16h30. Fechado aos domingos.

Preço: £18 para a visita ( ou £16 se comprado online)

Site: http://www.stpauls.co.uk/visit


E aqui termina nosso primeiro roteiro, que, em boa parte, percorre a beira do rio Tâmisa, com algumas das paisagens mais interessantes da cidade.

Londres – Roteiros a pé

15 janeiro 2018

Londres, juntamente com Buenos Aires, é uma das cidade que mais visitei até hoje. Plana e cheia de atrações, é um convite para caminhadas ao ar livre que podem tomar o dia inteiro e englobar inúmeras atividades, sejam elas culturais, consumistas, gastronômicas ou mesmo a simples apreciação da linda paisagem urbana desta metrópole europeia.

Com isso em mente, elaborei uma série de roteiros enxutos dividido por áreas e que podem ser seguidos até pelos mais sedentários. No caminho vocês encontrarão museus (quase sempre gratuitos, uma das vantagens londrinas), mercados de bairro, lojas de departamento, parques e o que mais você encontrar pelo caminho – e, com certeza haverá um cantinho inexplorado que você irá descobrir nesta cidade fantástica. (Sendo assim, volte aqui depois para contar para a gente, tá?).

Os roteiros começam e terminam sempre em uma estação de metrô para melhor localização e podem utilizar outra(s) das inúmeras alternativas de transporte da cidade. Como as atrações ficam dentro das zonas 1 e 2, tudo o que você precisa é de um bilhete que te permita transitar por estas duas zonas centrais da cidade. Mais informações sobre o transporte em Londres pode ser visto neste post.

Os roteiros tentam englobar as atrações mais conhecidas e, conforme dito acima, podem tomar o dia inteiro, mas obviamente a velocidade será ditada por você, a depender do tempo que você tem e das suas prioridades turísticas em Londres.

Espero que ajude na sua visita!